Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Um filme e um jantar

por Moira, em 11.01.10

Hoje finalmente fui ver o Avatar, era para ter sido ontem, mas chegamos ao cinema e estava esgotado então achamos por bem comprar os bilhetes para o dia seguinte.

A vontade de sair de casa não era muita devido à chuva que caía, mas como tínhamos os bilhetes fizemos o pequeno sacrifício de pôr pés ao caminho e no final não nos arrependemos.

Confesso que ia um pouco de pé atrás depois de uma crítica que li, que entre outras coisas dizia para levarmos cachecóis encarnados para condizer com os óculos, mas também já me habituei a não confiar na escrita dos que se dizem ou são conhecidos como críticos ou entendidos de cinema. E ainda bem que o fiz, o filme é grande mas acreditem que o tempo não custou a passar, pelo contrário passou sem que eu desse por isso, ainda por cima é daqueles filmes que para além do entretenimento nos consegue pôr a pensar e a falar sobre o que vimos.

Mas não foi por isso que aqui vim, afinal este blog é de comidas e não de cinema.

Quando entrei em casa fui directa para a cozinha preparar o jantar, era tarde e a fome já se fazia sentir. Tinha retirado umas lulas para descongelar ontem, mas ainda não tinha tido oportunidade de as fazer, corri alguns livros de cozinha mas para além de não encontrar muitas receitas com lulas também não encontrei nada que me agradasse em pleno por isso acabei a fazer uma receita antiga que me foi dada pela minha comadre alentejana e que é mais uma lista de ingredientes do que uma receita, ou pelo menos foi isso que escrevi no meu livrinho quando a passei.

Jantamos tarde, nada de mais para um domingo, que não fora o cinema tinha sido feito de preguiça, ui que este mal nunca mais se vai embora...

Depois do jantar lembrei-me que ainda não levei o marido ao Tentações de Goa, uma grande falha minha, eu sei, ainda por cima tenho a certeza de que ele vai adorar.

Caril de Lulas

Ingredientes:

  • 700 g de lulas limpas e cortadas ás argolas
  • 1 cebola picada
  • 1 dente de alho picado
  • 1 colher de sopa de pasta de caril
  • 3 colheres de sopa de calda de tomate
  • 1 colher de sopa de açafrão em pó
  • 2 ou 3 raspas de noz moscada
  • 2 dl de leite de coco
  • sal e pimenta q.b.
  • 1 colher de sopa de coentros picados

Preparação:

Levar ao lume uma frigideira com um fio de azeite a cebola e o alho picados, deixar alourar e juntar as lulas cortadas, temperar com sal e pimenta.

Numa taça juntar os restantes ingredientes, misturar bem e vazar sobre as lulas, deixar cozinhar em lume brando, se necessário adicionar um pouco de água para não pegar, mas o molho deve ficar bem grosso. No final polvilhar com os coentros picados e servir com arroz branco, para estes pratos prefiro o basmati cozido só com água e sal.

 

Notas: Para quem estiver interessado a colher é feita de casca de côco, veio da Malásia e faz parte da minha colecção de colheres de pau.

Para quem se questionou porque é que não havia tentáculos nesta receita foi apenas porque a quantidade de lulas era demasiada para dois e guardei-os para outra receita que aparecerá em breve.

Só mais uma coisinha, para este tipo de prato não comprem as lulas já cortadas às argolas, são enormes e ficam moles e sem jeito nenhum, é preferível comprá-las frescas ou em alternativa, congeladas, mas inteiras. Deixam-se descongelar e cortam-se então às argolas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:16

Memórias de um Almoço no Tentações de Goa

por Moira, em 29.10.09

Ontem o almoço foi no Tentações de Goa, com um menu perfeito, muita conversa e em óptima companhia, a Neide Rigo, o João Pedro e a Manuela, uma simpática leitora que esmiuça os nossos blogs.

Almoçar com eles foi um enorme prazer e um grande privilégio.

Do almoço tenho ainda a dizer que, apesar de eu não ser apreciadora de picante comi de tudo, gostei de tudo, e nem sequer achei que fosse muito picante, os nomes são difíceis de fixar e pelo caminho ficaram as entradas cujo nome perdi na memória mas não no sabor, mas destaco as Chamuças e o Caril de Camarão com Quiabos, o Biriani e o Sarapatel, das sobremesas a Bebinca e o Doce de Grão que me deixou com uma enorme vontade de o reproduzir cá em casa. Espero não me ter enganado em nenhum dos nomes, ao invés da Neide eu não tomei nota de nada e ficou tudo na minha memória, registo fotográfico só a Neide é que tem, e em breve estará no Come-se.

Para quem gosta de comida de Goa, ou para quem quer experimentar pela primeira vez, o Tentações de Goa é o sitio certo para ir comer, mas o melhor  é telefonar antes a marcar, escolham pelo menu ou deixem-se guiar pelas escolhas do "Chef" Jesus que juntamente com a Maria dos Anjos são de uma enorme simpatia.  

Depois de toda esta conversa e aproveitando a inspiração dos sabores de ontem, lancei-me a um prato de inspiração indiana condimentado com umas pimentinhas brasileiras gentilmente oferecidas pela Neide.

Com isto o Tertúlia vai passar a estar mais picante, pelo menos até esgotar as pimentinhas todas.

Guisado de Carne com Batata e Ervilhas

Ingredientes:

  • 1 cebola média
  • 1 dente de alho
  • 1 a 2 cm de gengibre fresco ralado
  • 200 g de carne moída ou aos cubinhos pequenos (porco ou borrego)
  • 2 malaguetas vermelhas das pequeninas
  • 1 colher de café de açafrão das índias
  • 1 colher de café de cominhos em pó
  • 1 pitada de paprika
  • 2 batatas médias cortadas aos cubinhos
  • 1 cenoura às rodelas finas
  • 2 colheres de sopa de polpa de tomate
  • 1 chávena de ervilhas
  • água q.b.
  • sal q.b.

Preparação:

Aloure a cebola picada e o alho cortado em fatias finas num fio de azeite. Adicione o gengibre ralado, a carne moída e as malaguetas. Tempere com um pouco de paprika, açafrão da índias, cominhos e sal, mexa com uma colher e deixe cozinhar durante 10 minutos, se necessário adicione água.

Acrescente as cenouras às rodelas, as batatas aos cubinhos, a polpa de tomate, as ervilhas e um pouco de água. Tape o tacho e deixe cozinhar até as batatas ficarem macias.

 

Nota: O Tentações de Goa fica na Rua S. Pedro Mártir, nº 23 - r/c em Lisboa, os Telefones são: 218 875 824, 914 814 043 ou 963 972 216

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:23

Leite de Coco + Caril = Jantar

por Moira, em 21.06.09

Depois de passar o dia de sábado numa sequência de planos frustrados à roda do coco para elaborar qualquer coisa para o dia da cor, fiquei com desejos de um caril feito com leite de coco e pus mãos ao trabalho.

Queria fazer um caril de lulas, mas não as encontrei por isso acabei a fazer um caril de borrego que não ficou nada atrás, bem pelo contrário.

Como sempre não tinha todos os ingredientes necessários e mais uma vez me socorri do precioso caril em pasta que tenho sempre em casa.

Caril de Borrego

Ingredientes:

  • 1 cachaço de borrego partido aos pedaços
  • 1 fio de azeite
  • 1 cebola média picada
  • 2 tomates descascados e cortados aos cubinhos
  • 1 colher de sopa de pasta de caril
  • 1 colher de café de açafrão em pó
  • 100 ml leite de coco
  • 1 colher de sopa de coentros picados
  • sal q.b.

Preparação:

Levar a carne com o azeite ao lume e alourar ligeiramente, adicionar a cebola e o tomate e deixar levantar fervura. Misturar o leite de coco com a pasta de caril e o açafrão e deitar sobre o borrego, depois de levantar fervura baixar o lume para o mínimo e deixar cozinhar lentamente, mexendo o tacho de vez em quando, se começar a ficar seco adicionar um pouco de água, mas não deve ser necessário.

Para acompanhar, fiz um arroz basmati com leite de coco e coentros, da forma mais simples. Lavei um copo de arroz, levei um copo e meio de água ao lume, quando começar a ferver, deita-se o arroz, o sal e mexe-se para o arroz se soltar, adicionar 1 medida de leite de coco, uma colher de sopa de coentros bem picadinhos e deixa-se cozer em lume brando, sem mexer mais até desaparecer todo o líquido. Serve-se de imediato.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:00

Regresso ao Passado

por Moira, em 19.05.09

Hoje resolvi viajar de novo no tempo e regressar de novo à era medieval para fazer mais uma receita completamente diferente do que estamos habituados.

Segui a receita quase à risca, à excepção do primeiro passo que por o ter acho estranho improvisei, de qualquer das formas aqui não estou obrigada a nenhum rigor histórico. 

A pesquisa que fiz há bastante tempo atrás deu-me um enorme prazer e uma quantidade de receitas que sempre que o tempo me permitir serão testadas e postas por aqui.

A origem desta receita remonta à Inglaterra do séc. XIV, é relativamente simples, mas de sabor exótico, a receita original e a tradução para inglês dos nossos tempos está aqui. Mas, para aqueles que só agora visitam o Tertúlia de Sabores, podem sempre espreitar em gastronomia medieval as outras receitas que testei faz um tempo.

Aqui fica a minha versão ligeiramente modernizada de mais uma iguaria medieval, posso dizer que fica muito bom, principalmente para quem gosta de sabores agri-doces.

 

Coelho em Molho de Vinho Doce e Passas de Uva

(Connynges in Cyrip)

Ingredientes:

  • 1 coelho partido aos pedaços
  • 1 cálice vinho de moscatel (usei Hypocras)
  • 3 colheres de sopa de vinagre de vinho tinto (usei vinagre de Xerez)
  • 1/2 colher de café mal cheia de canela em pó
  • 2 cravinhos ou 1/2 colher de café de cravinho em pó
  • 1 mão cheia de passas de uva, sultanas ou corintos
  • 1 pouco de gengibre descascado e cortado fino (coloquei +/- 2 cm)
  • sal q.b. (embora a receita original não o mencione)

Preparação:

A receita manda cozer o coelho em caldo de carne, eu abdiquei dessa parte e alourei-o num fio de azeite, adicionei todos os restantes ingredientes e deixei cozinhar tapado em lume muito brando durante uns 40 minutos, virando o coelho de vez em quando para todo ele tomar sabor, se o molho evaporar rápidamente e o coelho ainda não estiver cozido adicione uns borrifos de água.

Acompanhei com arroz branco, e legumes cozidos. Se quiser, apesar de não ser de todo medieval, também deve acompanhar bem com um puré de batata ou umas batatinhas fritas.

 

Nota: Como já disse anteriormente quando abordei este assunto , nenhuma das receitas medievais têm quantidades, por isso é necessária alguma imaginação para que os sabores fiquem equilibrados. As quantidades desta e das outras receitas foram calculadas por mim e não quer dizer que sejam as certas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:42

Diferentes Sabores

por Moira, em 08.04.09

Sem grandes explicações, porque por vezes as refeições não têm grande história, fiz uns lombinhos de porco com tâmaras que andavam aos caídos na despensa desde alturas do Natal, a receita é da Saberes e Sabores, revista que coleccionei desde o nº 1 até há uns anos atrás, quando percebi que mesmo que fizesse 2 receitas novas por dia, nunca iria conseguir fazer todas as receitas que coleccionei, mesmo que vivesse 100 nos.

Claro que isso não fez com que deixasse de continuar a coleccionar receitas...

lombinhos de porco com tâmaras

Lombinhos de Porco com Tâmaras e Cuscus

Ingredientes:

  • 1 lombinho de porco
  • 1 cebola
  • 12 tâmaras
  • 1 cálice de aguardente velha ou cognac
  • sal e pimenta moída no momento

Para o cuscus

  • 1 copo de cuscus
  • 1 copo de água
  • 1 cebolinha picada
  • 1 pitada de pimenta
  • 1 pitada de cominhos
  • 1 pitada de coentros em pó
  • 1 pitada de canela
  • 1/4 de colher de café de hortelã seca
  • 1 colher de sopa mal cheia de azeite
  • 1 folha de hortelã fresca para decorar

Nota: 1 pitada é só a pontinha de uma colher de café com cada uma das especiarias

 

Preparação:

Alourar o lombinho de porco num fio de azeite, adicionar-lhe uma cebola cortada em gomos finos e deixar alourar também, juntar 1 cálice de aguardente e as tâmaras cortadas em rodelas, temperar com sal e pimenta, tapar o tacho e deixar cozinhar lentamente, se necessário adicionar um pouco de água.

Para o cuscus refoguei a cebola bem picada numa colher de sopa de azeite, adicionei todas as especiarias, o copo de água e deixei ferver. Adicionei os cuscus, dei uma mexidela com um garfo, tapei o tacho e deixei repousar por 5 minutos. Ao fim desse tempo mexi de novo com o garfo e está pronto a servir.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:45


WOOK - www.wook.pt


Fotos no Flickr




Tradutor





Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D