Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Tarte de Mirtilos

por Moira, em 27.03.15

Sabem aqueles doces que provamos e nunca mais nos saem da cabeça?

Foi o que me aconteceu com esta tarte. Faz mais ou menos dois anos, que por esta época provei uma tarte destas, na simpática vila de St. Lary, situada nos Pirinéus franceses. E apesar de nunca mais ter comido nenhuma ela não me saiu da memória.

Tentei encontar uma receita, mas nada se assemelhava ao que eu tinha comido, por isso resolvi recriar de memória aquela tarte de massa crocante e recheio aveludado que continuava a povoar o meu imaginário.

Tarte de Mirtilos - IMG_7548

Tarte de Mirtilos

Ingredientes:

Para a Massa (receita de Pierre Hermé)

Para o Creme de Pasteleiro

  • 250 ml de leite gordo (ou 125 ml de leite + 125 ml de natas)
  • 20 g de farinha
  • 1 ovo + 1 gema
  • 40 g de açúcar
  • 1 casquinha de limão

Para a Cobertura

  • 350 g de mirtilos
  •  açúcar em pó para polvilhar

Preparação:

Da massa:

Ligar o forno a 180º.

Bater a vaqueiro com sabor a manteiga à temperatura ambiente com o açúcar até obter uma mistura homogénea, juntar o ovo, misturar bem, depois a amêndoa moída e por fim a farinha.

Formar uma bola, embrulhar em película aderente e guardar no frigorifico por duas horas.

Estender a massa e forrar uma forma de tarte ou várias formas de tartelete, cobrir com papel vegetal encher com feijões secos (o peso dos feijões faz com que a massa não enfole) e levar ao forno aquecido por cerca de 20 minutos, ao fim desse tempo retirar os feijões e o papel vegetal e levar mais 5 minutos ao forno.

Deixar arrefecer, desenformar e reservar.

Do Creme:

Levar o leite ao lume com uma casquinha de limão para aquecer sem deixar ferver, bater ligeiramente os ovos com o açúcar, juntar a farinha e adicionar o leite aos poucos.

Levar esta mistura ao lume, mexendo sempre até engrossar. Retirar o creme para uma taça e tapar com película aderente para não criar nata e reservar até estar completamente frio.

Montagem:

Deitar o creme por cima da base da tarte, colocar por cima os mirtilos e polvilhar com açúcar em pó.

Notas:

Quer a base da tarte, quer o creme podem ser feitos de véspera, já que para a montagem da tarte é necessário que todos os elementos estejam frios.

Para um creme mais rico usar 125 ml de leite + 125 ml de natas.

Em vez dos mirtilos pode usar outra fruta a gosto (morangos, framboesas, ou uma mistura de vários frutos vermelhos) e em vez de polvilhar com açúcar em pó pode pincelar com geleia.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:50

Pavlova - um doce que é uma tentação

por Moira, em 26.06.13

Mais uma semana a cozinhar com Bonsalt, e desta vez trago-vos esta excelente sobremesa, numa versão um pouco mais light que a tradicional pois estamos na época em que pelo menos 1/4 da população portuguesa faz dieta para ficar bem no biquíni.

Quem faz dieta, seja por motivos de saúde, seja por motivos estéticos, é muitas vezes (eu diria demasiadas vezes) confrontado com jantares de família ou de amigos em que, se diz que está a fazer dieta ouve coisas do género:

  • Que disparate, para que precisas disso?
  • Eu cá não faço dietas, gosto de gozar a vida.
  • Um dia não são dias... um bocadinho de certeza que não faz mal

Se opta por não dizer que está a fazer dieta (esta é sem dúvida a melhor opção) tem que fazer escolhas, ou agradece o convite e diz que já tinha outra coisa marcada, ou vai e dentro daquilo que houver, escolhe aquilo que pode comer.

Na minha opinião, todas as dietas devem ser acompanhadas por um nutricionista, é a única forma de termos alguém com quem partilhar inseguranças, medos, vitórias e também dúvidas, muitas dúvidas. Será que posso comer isto? Será que posso comer daquilo?

Há uns anos atrás fiz uma dieta, sempre com acompanhamento médico em que não havia aquilo que hoje chamam o dia livre ou o dia do disparate, todos os dias eram compostos por uma alimentação específica em que aprendíamos a comer melhor. Muitas vezes me deparei com situações em que não sabia o que fazer, especialmente nos aniversários, quer da família, quer dos amigos, em que temos mesas fartas cheias de doces e tentações. O que fazer?

O conselho do médico foi: sobremesas só em situações muito especiais e para que a "desgraça" não seja muito grande prefira aquelas que não misturem hidratos de carbono e que também não tenham gorduras.

Difícil? Nem por isso se pensarmos que temos os pudins de ovos, as gelatinas caseiras sem adição de açúcar a não ser o da fruta, a mousse de chocolate e depois as natas na maioria das vezes podem ser substituídas por iogurtes magros, podendo assim fazer belíssimas sobremesas.

Convencidos? Afinal não custa nada, e se achar, ainda assim, que o suspiro é demasiado calórico opte por comer as frutinhas com o creme de queijo e iogurte. Vai ver que mata a fome de doces sem sentir que está a cometer o pecado da gula.

Pavlova

Pavlova com Creme de Queijo, Iogurte e Frutos Vermelhos

Ingredientes:

  • 4 claras de ovo
  • 1 pitada de Bonsalt
  • 200 g de açúcar
  • 1 colher de chá de maizena
  • 1 colher de chá de essência de baunilha
  • 1 colher de chá de vinagre
  • 250 g de queijo quark (20% de gordura)
  • 160 g de iogurte magro aroma de baunilha
  • Fruta a gosto e folhas de hortelã

Preparação:

Ligar o forno nos 150º.

Cortar uma folha de papel vegetal do tamanho do tabuleiro do forno.

Desenhar um círculo com cerca de 22 cm de diâmetro na parte de baixo do papel e untar a parte de cima do papel dentro do círculo e três dedos a toda a volta do círculo.

Misturar muito bem a maizena com o açúcar.

Bater as claras com uma pitada de Bonsalt em castelo bem firme, adicionar o açúcar aos poucos e por fim o vinagre e a essência de baunilha.

Colocar colheradas de merengue a cobrir o círculo para formar uma espécie de um ninho, tendo o cuidado de não ultrapassar os limites do círculo.

Baixar a temperatura do forno para 100º e colocar a pavlova a cozer durante 2 horas.

Quando estiver frio, retirar o papel de baixo com muito cuidado, colocar num prato.

Entretanto misturar o quark com o iogurte até obter uma mistura cremosa e reservar no frio até à altura de servir.

Na altura de servir distribuir por cima da pavlova o creme de queijo com iogurte, decorar com a fruta escolhida e as folhinhas de hortelã.

Notas: Não se pode abrir a porta do forno durante ou imediatamente após a cozedura.

Só se retira a pavlova do forno quando o mesmo estiver quase frio, retirando o papel e colocando-a num prato.

A pavlova cresce imenso, por isso um círculo de 22 cm vai aumentar para um diâmetro de cerca de 32 cm.

Pode fazer pavlovas individuais, também fica muito bem.

Nesta sobremesa as tradicionais natas foram substituídas por iogurte e queijo quark com apenas 20% de gordura, mas pode optar por mascarpone ou queijo fresco magro.

Se não tiver essência de baunilha pode usar açúcar baunilhado ou aromatizar com raspa de limão ou de laranja.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:10

World Baking Day 2013

por Moira, em 19.05.13

O convite que recebi da Vaqueiro para participar no World Baking Day, evento que eu desconhecia, foi o pretexto para fazer um bolo que ainda não tinha experimentado, mas que já tinha provado faz tempo, e se a memória não me falha, feito pela Margarida.

"O World Baking Day, que se assinala a 19 de Maio, é uma iniciativa mundial que tem como objectivo incentivar a agarrar nas varetas e na batedeira e encorajar as pessoas a fazer um bolo."

Quanto à receita ela foi improvisada a partir da leitura de várias receitas de Crumble Cakes mas que não seguiu nenhuma delas à risca, sendo a fusão de várias delas. O resultado é bastante interessante, fica uma base fofa e um topo crocante.


Bolo Crumble de Mirtilos

Ingredientes:

Para o Bolo

  • 200 g de farinha de trigo
  • 160 g de açúcar amarelo
  • 150 g de vaqueiro líquida
  • 2 ovos grandes
  • raspa de meio limão
  • 1 colher de chá de fermento em pó royal
  • 125 g de iogurte natural
  • 150 g de mirtilos frescos

Para o Crumble

  • 40 g de farinha de trigo
  • 15 g de amêndoa moída
  • 30 g de açúcar amarelo
  • 1 colher de chá de canela em pó
  • 25 g de vaqueiro fria aos cubinhos

Preparação:

Comece por preparar o crumble misturando todos os ingredientes do crumble que devem ser trabalhados com a ponta dos dedos até ficarem com aspecto de pequenas migalhas. (Na Bimby/Thermomix, coloque todos os ingredientes no copo e programe 10 segundos)

Coloque numa caixa e reserve no frigorifico enquanto prepara o bolo.

Entretanto bata a margarina com o açúcar e a raspa de limão até obter um creme esbranquiçado, adicione os ovos, um a um batendo bem a massa entra cada adição.

Por fim adicione a farinha misturada com o fermento em pó, alternando com o iogurte.

Numa forma com aro amovível, forrada com papel vegetal, untada e enfarinhada, deite metade da massa, espalhe por cima os mirtilos e deite por cima a restante massa. Polvilhe com o crumble e leve ao forno quente durante 30 a 40 minutos, verique se está cozido com um palito, se sair seco o bolo está cozido.

Retire e deixe arrefecer antes de desenformar.

Coloque num prato e decores com alguns mirtilos e folhinhas de hortelã.

Notas: A vaqueiro líquida pode ser substituída por manteiga ou por outra margarina.

Os mirtilos podem ser substituídos por outra fruta a gosto, de preferência fresca, pois a congelada larga muito líquido.

Se não gostar pode omitir a canela, e se preferir pode substituir a amêndoa moída por coco ralado.

O iogurte também pode ser substituido por leite.

A Vaqueiro líquida usada na receita foi gentilmente oferecida pela marca, especialmente para participar no World Baking Day.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:07

Convidei para jantar - mentes brilhantes

por Moira, em 18.07.12

Será ele um génio?

Um homem que escreve um poema com dez cantos, 1 102 estrofes e 8 816 versos decassílabos, empregando a oitava rima, deve ser com certeza uma mente brilhante.

O meu convidado de hoje é português, moço bem parecido e dado a grandes paixões, boémio e turbolento, foi poeta e soldado, dedicou grande parte da sua vida a escrever rimas, mas não foi reconhecido em vida, escreveu um dos livros mais importantes da literatura portuguesa e ainda hoje é considerado um símbolo da nação.

Imagino-o divertido e bem falante, a companhia ideal para passar uma tarde entre amigos, por isso convidei-o para um piquenique. Chegou à hora prevista e ficou enternecido por ser o centro das atenções, há muito que não estava rodeado por tanta donzela que por momentos julgou que sonhava.

Estendemos a manta à sombra, estava calor, mas isso não o assustou, das cestas tirámos o farnel e o vinho fresco e passámos a tarde tagarelando entre rimas e sorrisos.

Encostado a um frondoso pinheiro, o nosso convidado cantarolava baixinho: "verdes são os campos, da cor do limão, assim são os olhos, do meu coração..." pareceu-me que estava de novo apaixonado, o seu olhar perdia-se no infinito.

Quase não deu conta da algazarra que fizemos porque as formigas tinham atacado o Bolo de Mirtilos.

Conseguimos afugentar a bicharada e oferecemos-lhe uma fatia de bolo e um copo de limonada que ele devorou com uma enorme satisfação.

Parecia uma criança pequena deliciada com o bolo da avó.

Oh! Que cabeça a minha, esqueci-me de o apresentar, o nome dele é Luís Vaz de Camões, uma das maiores figuras da língua portuguesa e um dos grandes poetas do ocidente.

Foto da minha amiga Susana do blog No Soup For You

Bolo de Mirtilos

Ingredientes:

  • 250 g de açúcar
  • 4 ovos grandes
  • 160 g de manteiga
  • raspa de 1 limão
  • 250 g de farinha de trigo peneirada
  • 1 colher de chá de fermento em pó
  • 150 g de mirtilos

Preparação:

Começar por derreter a manteiga, 30 segundos no micro ondas, mexer com uma colher e reservar para arrefecer.

Ligar o forno nos 180º C.

Bater ovos com açúcar até triplicarem de volume e apresentarem uma cor esbranquiçada, cerca de 20 minutos com a batedeira eléctrica.

Com a batedeira no mínimo adicionar a farinha e o fermento aos pouquinhos, e por fim, com uma espátula, envolver a manteiga derretida que deverá estar praticamente fria. Untar e enfarinhar uma forma, verter para lá a massa, alisar se necessário e colocar por cima os mirtilos

Vai ao forno quente, numa forma untada e enfarinhada durante cerca de 30 minutos, ou até espetar um palito no centro e ele sair seco.

 

Notas:

Inspirada nesta receita da Dorie Greenspan do Bolo Sueco das Visitas, nasceu este bolo de mirtilos para levar para um piquenique muito especial.

Na verdade, as alterações à receita original foram muitas, dupliquei as quantidades, reduzi no açúcar e na manteiga, eliminei os extractos e troquei as amêndoas por mirtilos frescos, e se a versão original que fiz há algumas semanas me satisfez plenamente, esta não lhe ficou nada atrás, por isso a recomendo.

 

Com esta receita participo no Convidei para Jantar, desta vez alojado No Reino da Prússia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:03

499 posts e a minha primeira Charlotte

por Moira, em 22.09.11

A charlotte é uma sobremesa que sempre fez parte do meu imaginário, tem uma apresentação excelente e até parece muito elaborada, mas na realidade até é relativamente simples. Procuradas as receitas acabei por eleger esta a que fiz algumas alterações por minha conveniência e pareceu-me a escolha perfeita para um jantar de amigas, para uma em especial que vinha cheia de saudades de framboesas e outros frutos vermelhos.

A minha primeira charlotte não ficou bonitinha para colocar um laço à volta, mas o sabor compensou a pouca formosura.

Charlotte de Framboesas

Ingredientes:

Xarope:

  • 30 ml de água
  • 15 g de açúcar
  • 30 ml de Vinho do Porto

Creme:

  • 220 g de palitos de champanhe (lady fingers)
  • 80 g de framboesas e amoras frescas
  • 500 g de queijo quark com 20% de gordura
  • 150 g de açúcar
  • 6 folhas de gelatina incolor
  • 2 colheres de sopa de água quente
  • 200 ml de natas bem geladas
  • 2 colheres de sopa de sumo de limão

Decoração:

60 g de Framboesas

60 g de amoras

100 g de mirtilos

folhas de hortelã qb.

 

Preparação:

Forrar com película aderente uma forma de charlotte com 19 cm de diâmetro e 9 cm altura.

 

Do Xarope:

Misturar a água com o açúcar, levar ao lume até o açúcar ficar dissolvido. Retirar do lume e juntar o rum, misturar bem e deixar arrefecer.

Pincelar os palitos com o xarope de vinho do Porto sem ensopar demasiado (senão não os vais conseguir manter de pé dentro da forma) e colocá-los na vertical a toda a volta da forma.

Cortar os restantes palitos em cubinhos, borrifar com o xarope e reservar.

 

Do Creme:

Misturar o açúcar com o queijo de forma a obter uma mistura lisa e homogénea.

Colocar as folhas de gelatina de molho em água fria por 2 ou 3 minutos.

Escorrer as folhas de gelatina e misturá-las na água quente, mexendo para dissolver. Deixar arrefecer um pouco e adicionar a gelatina à mistura do queijo creme e misturar bem até ficar homogéneo.

Entretanto, bater as natas geladas com duas colheres de sumo de limão até ficarem firmes. 

Com a ajuda de uma vara de arames envolver suavemente as natas na mistura do queijo creme.

 

Colocar 1/3 do creme na forma, espalhar  por cima alguns frutos e alguns cubos dos palitos reservados. Cobrir com mais um pouco de creme, colocar por cima mais alguns frutos e os restantes palitos cortados cobrindo com o restante creme.

É importante que o recheio da charlotte fique ao mesmo nível que os palitos dispostos na vertical, se isso não acontecer, faça uma camada com cubos de palitos até ficar com a mesma altura, ou leve assim ao frigorifico e antes de desenformar corte as pontas dos palitos com uma tesoura.

 

Levar ao frigorifico até solidificar (4 a 5 horas).

 

Na altura de servir, desenforme a charlotte para um prato e com cuidado retire a película aderente.

 

Decorar com os frutos silvestres frescos e folhas de hortelã. 

 

Notas: Esta receita foi ligeiramente adaptada da Charlotte de Framboesa da Andreia, a mentora do Blog Baunilha e Caramelo, um espaço repleto de coisas doces.

Ao todo usei 300 g de frutos silvestres, a Andreia faz um coulis para acompanhar a charlotte, eu optei por servir apenas com a fruta fresca.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:18


WOOK - www.wook.pt


Fotos no Flickr




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Tradutor



Também estamos aqui

Facebook

Tertúlia de Sabores da Moira

Divulga também a tua página


Instagram

Instagram


Pinterest

Pinterest


Networked Blogs


Eventos na Blogosfera

World Bread Day

World Bread Day 2016 (October 16) World Bread Day 2015 (October 16)


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D