Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


convidei para jantar - Cozinheiros Famosos

por Moira, em 16.03.12

Pensei durante muito tempo em quem convidaria para jantar, pela minha cabeça desfilaram nomes de chefes famosos, mas foi na quarta-feira ao final da tarde, numa agradável conversa com a Fátima Moura, autora do "delicioso" livro "Portugal - O melhor Peixe do Mundo" que tive a certeza qua à minha mesa só poderia estar uma pessoa, uma mulher que é para mim uma referência em termos da culinária nacional.

A minha convidada só poderia ser Maria de Lourdes Modesto, foi nos livros dela que tantas vezes tirei as minhas dúvidas e ainda é nos livros dela que busco as mais básicas receitas tradicionais portuguesas.

A ideia de poder partilhar uma refeição com ela pôs-me a pensar no que lhe poderia servir e a minha escolha recaiu numa empada de alheira com espinafres e cogumelos salpicada com pinhões e acompanhada por uma salada verde, espero que seja do seu agrado.

Empada de Alheira, Espinafres e Cogumelos

Ingredientes:

Para o recheio:

  • 1 alheira
  • 1 dente de alho
  • 150 g de cogumelos enlatados
  • 250 g de espinafres cozidos
  • 1 colher de sopa de azeite
  • 2 colheres de sopa de pinhões tostados

Para a Massa

  • 50 g de água
  • 50 g de azeite
  • 50 g de margarina
  • 50 g de vinho branco
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 ovo
  • 5 g de fermento seco para pão (usei fermipan)
  • 450 g de farinha de trigo
  • 1 gema de ovo misturada com uma colher de sopa de leite para pincelar

Preparação:

Do Recheio

Num tacho colocar o azeite e o alho bem picado, juntar os cogumelos e a alheira sem a pele, deixar cozinhar em lume brando, adicionar os espinafres e mexer para os incorporar. Reservar até estar completamente frio.

 

Da Massa

Tradicional: Aquecer ligeiramente os líquidos, só para amornar, misturar todos os ingredientes até obter uma massa homogénea e moldável e deixar repousar em local ameno cerca de 1 hora para levedar.

Bimby / Thermomix: Colocar no copo a água, o vinho, o azeite, a margarina e o sal e programar 2 min., 37º, vel. 2. Adicionar o fermento, o ovo e a farinha e programar 2 min. vel. espiga, retirar do copo e deixar repousar em local ameno cerca de 1 hora para levedar.

 

Montagem

Estender a massa sobre uma superfície enfarinhada, com a ajuda de um rolo da massa, cortar rodelas de tamanho a poder forrar forminhas de empadas, previamente untadas (para isso usei o spray da espiga). Colocar dentro uma colher de recheio, cortar outra rodela de massa um pouco mais pequena que a anterior para tapar a empada, selar a empada, torsendo o bordo da massa a toda a volta. Proceder de igual forma até acabar a massa e o recheio. Pincelar com a gema de ovo e levar ao forno aquecido a 180 º cerca de 20 a 25 minutos. ou até a massa estar cozida.

 

Nota: Fiz duas empadas de tamanho médio e guardei a restante massa para experimentar outros recheios. Ah! E esqueci-me de passar a gema de ovo por cima da empada, pelo que no final pincelei apenas com manteiga para lhe dar algum brilho.


Com este prato participo no projecto Convidei para Jantar criado pela Ana do Anasbageri e este mês alojado no Gourmets Amadores.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:08

Parabéns Paco!

por Moira, em 23.05.11

No dia 19 de Maio celebrou-se o 4º aniversário do Lazy Blog, para festejar a data o Paco resolveu convidar os amigos para um concurso, "Cocinando con Lazy Blog" que é no mínimo original.

Recentemente ele foi convidado a editar um livro, um sonho convertido em realidade e que ele quer partilhar com todos os seus leitores.

Com este concurso ele dá-nos a hipotese de participar nesse livro, para isso basta fazer uma receita do Lazy Blog e fotografá-la a preceito.

Como o Lazy Blog é um dos blogs espanhóis que acompanho há bastante tempo, não podia faltar à festa,  para isso escolhi uma receita de Champis al ajillo y jamón, espero que gostem.

Parabéns Paco, pelo livro e pelo teu aniversário. E como costumas dizer aos teus leitores: Sed felices!

Vol-o-Vents de Presunto e Cogumelos

Ingredientes:

  • Caixinhas de Vol-o-Vent pré-cozinhadas
  • 1 naco pequeno de presunto
  • 2 dentes de alho
  • 6 cogumelos pequenos
  • 2 colhers de sopa de Azeite extra virgem
  • sal e pimenta
  • amêndoa torrada

Preparação:

Picar o presunto miúdinho e reservar.

Numa frigideira, colocar o azeite, o alho picado, os cogumelos picados e o presunto, temperar com sal e pimenta e deisar cozinhar lentamente.

Rechear os vol-o-vents com esta mistura e decorar com uma amêndoa torrada.

Com esta receta participo no concurso "Cocinando con Lazy Blog" patrocinado por Artemática Producciones, Carne Villa María, Boffard, I love Aceite  y Pyrex.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:10

Eu Não Gosto de Arroz de Coelho

por Moira, em 08.06.10

Toda a gente que me conhece um pouco sabe que eu não gosto de comidas misturadas, jardineiras, massadas e arrozes. Não gosto de arroz de carne, detesto cabidelas e não é pelo sangue é mesmo por estar tudo misturado e também não gosto de arroz de coelho, que a minha avó fazia vezes sem conta para deleite da maioria da família sendo eu a excepção. Na família do meu marido também todos gostam de cabidelas, arrozes e afins, continuando eu a ser a ovelha negra...

Mas hoje fiz arroz de coelho para o jantar, e comi... e não foi porque eu quisesse fazê-lo, proporcionou-se pela falta de tempo que é uma coisa lixada.

De manhã ao sair de casa temperei o coelho para assar no forno, ou pelo menos essa era a minha intenção, acontece que a minha mãe foi hospitalizada para uma pequena cirurgia, que correu bem felizmente, e eu fui vê-la ao hospital depois de sair do trabalho.

Cheguei a casa tarde e o coelho em vez de ir para o forno foi para o tacho, mais precisamente para a panela de pressão para ser mais rápido, tentei pensar num acompanhamento, mas nada me ocorria, entretanto ao abrir a panela para rectificar a cozedura do bicho deparei-me com uma enorme "sopa" de caldo, culpa minha é claro, que, por desatenção ou por pressa, acrescentei demasiada água na panela que sendo de pressão ainda acrescentou mais alguma do vapor.

Naquele momento pensei que não havia nada a fazer e o melhor era fazer um arroz naquele caldo, passando da ideia à acção de imediato que eram 10h da noite e a fome já se fazia sentir.

O meu marido entretanto pergunta-me o que é o jantar e antes de eu responder olhou para dentro da panela e com o ar mais infeliz do mundo e de voz quase sumida diz-me: Tu não sabes que eu não gosto de arroz de coelho?

Ops! ... ... Fez-se silêncio! Não me ocorreu, disse-lhe, mas agora é o que temos e como eu também não gosto de arroz de coelho, comemos e pronto! Se isto fosse no tempo da minha bisavó tenho a certeza que a coisa ficaria feia, se é que me entendem...

Foi assim que os dois nos sentamos à mesa, no mais profundo dos silêncios e com o ar mais infeliz do mundo.

À primeira garfada o semblante mudou, à segunda o ar era de satisfação e no final não sobrou um grão de arroz.

Mas cá entre nós que ninguém nos ouve não contem isto a ninguém, para todos os efeitos e perante toda a família: Nós não gostamos de arroz de coelho.

Esta foi uma excepção que conto repetir num destes dias, e na nossa opinião estava perfeito. (shiuuuuu! É segredo!)

Mas para que fique bem claro e não restem dúvidas eu continuo a não gostar de comida misturada e se alguém disser o contrário, mesmo que apresente provas, eu faço como os políticos e nego tudo.

Arroz de Coelho

Ingredientes:

  • 500 g de coelho
  • 1 cebola
  • 1 colher de chá de alho em pó
  • 1 colher de café de colorau
  • 2 folhas de louro
  • 1 raminho de tomilho
  • 1 pitada de sal
  • 3 colheres de sopa de azeite aromatizado com sal e piri-piri da Casa do Sal da Figueira da Foz
  • 1 copo de vinho
  • 1 mão cheia de cogumelos congelados
  • 1 copo de arroz
  • 3 copos de água

Preparação:

Temperar o coelho com o sal, o louro, o alho, o tomilho, o colorau, o vinho branco e uma colher de sopa de azeite, deixar assim um bom par de horas.

Na panela de pressão colocar 2 colheres de sopa de azeite e alourar o coelho por todos os lados, adicionar a cebola cortada em gomos finos, mexer e juntar o líquido da marinada coado. Nesta altura devo ter junto cerca de um copo de água. Fechar a panela e deixar cozer por cerca de 15 a 20 minutos.

Deixar sair o vapor antes de abrir a panela, nunca é demais lembrar que enquanto se ouvir barulho do vapor a sair da panela não se pode abrir para não correr o risco de uma queimadura grave.

Retirar o coelho para um prato e reservar, acrescentar os cogumelos, o arroz e 2 copos de água ou um pouquinho mais para o arroz cozer e ficar ligeiramente caldoso, rectificar o sal e assim que o arroz estiver cozido servir de imediato para não empapar.

 

Notas: Usei uma mistura de cogumelos congelados marca continente, muito bons por sinal. O arroz é da região de Alcácer do Sal, marca Ceifeira, usei agulha extra longo, experimentem porque é um arroz excepcional, quer o agulha quer o carolino.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:30

Beje para mais um dia da cor

por Moira, em 15.11.09

O dia da cor, alojado no Blog Delícias e Talentos criado especialmente para o efeito pela Mary, está a entrar na fase final, ainda não acabou e eu já começo a ter saudades da correria e da procura da receita certa para publicar.

Desta vez e ao contrário de todas as outras a minha receita surgiu completamente por acaso, sem procura, sem preocupações, vinha numa embalagem de cogumelos que para mim eram completamente desconhecidos e que nem sequer me lembrei de fotografar, mas podem ver o aspecto deles aqui.

A receita em questão é um risoto, mas eu prefiro chamar-lhe arroz, para mim é mais genuíno, muito mais português, até porque utilizei uma qualidade de arroz carolino nacional que se cultiva na zona de Alcácer do Sal e que é muito bom para este tipo de pratos.

O resultado final foi muito agradável, e quer o gengibre, quer o molho inglês que não vinham na receita original conferiram-lhe um perfume bastante harmonioso.

Arroz de Frango e Cogumelos Eryngii

Ingredientes:

  • 150 g de cogumelos eringi
  • 1 peito de frango
  • 1 dente de alho
  • 1 cebola
  • 1 folha de louro
  • 2 cravinhos
  • 6 bagos de pimenta preta
  • 2 ou 3 raspas de gengibre fresco ralado
  • 1 chávena de chá de arroz de bago redondo (usei carolino português)
  • 3 chávenas de caldo de cozer o frango (quente)
  • 1 colher de sopa de molho inglês
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • 1 colher de sopa de margarina
  • 1/2 chávena de queijo parmesão ralado
  • sal e pimenta q.b.

Preparação:

Cozer o frango com uma folha de louro, o cravinho e os bagos de pimenta. Reservar o caldo e desfiar o frango.

Num tacho aquecer o azeite e a margarina e saltear o alho e a cebola, quando estiverem macios adicionar os cogumelos partidos às tiras e deixar cozinhar mexendo sempre até terem uma cor ligeiramente dourada.

Adicionar o arroz, temperar com sal e pimenta, mexer e adicionar um pouco de caldo de frango, ir mexendo sempre e acrescentando mais caldo consoante ele se vai evaporando. Adicionar o frango e o molho inglês, continuar a mexer e a adicionar caldo até o arroz estar cozido mas inteiro. Apagar o lume e adicionar o queijo ralado e servir de imediato.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:10

Pica, Petisca, Pintxa, sei lá, come qualquer coisinha...

por Moira, em 08.10.09

Às vezes temos fome e não nos apetece comer, digo, comer comida de prato, mas se a coisa for um petisco, pica daqui, pica dali, a coisa até vai e no final soube-nos muito melhor que umas quaisquer bifanas no prato com batatas fritas e salada.

Quando eu era miúda, já era assim, costumava ter fome de coisas específicas, fome de sopa? Nunca!

As minhas fomes eram refinadas, tinha fome de bolachas, fome de fruta, fome de iogurtes, fome de bolo, enfim, as fomes variavam de acordo com a hora do dia ou do apetite, que na altura, diga-se de passagem nunca era muito.

Diziam que eu era um "pisco" a comer, não sei o que é um "pisco", mas concordo que não era de muito alimento, ainda hoje contento-me com pouca coisa, e apesar de gostar de quase tudo, confesso que prefiro picar qualquer coisa.

Pois hoje a minha fome era de Pica-Pau, não sei exactamente a origem do nome, embora desconfie que tem tudo a ver com o termo picar, petiscar, ou pintxar como dizem os bascos, termo que eu tanto gosto, pois foi isso mesmo que fizemos ao jantar, petiscamos este pica-pau de Outono com uns cogumelos que lhe deram graça e o diferenciaram dos demais.

Pica-Pau de Porco com Cogumelos Portobello

Ingredientes:

  • 2 bifes de porco cortados às tiras
  • 1 dente de alho
  • 1 colher de sopa de molho inglês
  • sal aromatizado com alho, alecrim e oregãos da Casa do Sal da Figueira da Foz
  • 1/2 copo de vinho branco
  • 1 fio de azeite
  • 4 cogumelos Portobello médios

Preparação:

Coloque o azeite num tacho, aloure a carne, adicione o alho picado, tempere com sal, junte o vinho branco e o molho inglês e deixe cozinhar por 5 ou 10 minutos.

Lave os cogumelos, corte-os ao meio e depois às tiras. Junte os cogumelos à carne e mexa com uma colher deixe cozinhar por mais 10 minutos.

Em menos de meia-hora o jantar estava na mesa para saciar o apetite do momento.

 

Nota: Segundo informação recebida da Torrada e Meia de Leite um "pisco" é o termo popular para um passarinho pequeno.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:03


WOOK - www.wook.pt


Fotos no Flickr




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Tradutor



Também estamos aqui

Facebook

Tertúlia de Sabores da Moira

Divulga também a tua página


Instagram

Instagram


Pinterest

Pinterest


Networked Blogs


Eventos na Blogosfera

World Bread Day

World Bread Day 2016 (October 16) World Bread Day 2015 (October 16)


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D