Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Bochechas de Porco no Forno

por Moira, em 19.01.15

 

Esta cabeça de alho chocho tinha estas belíssimas bochechas de porco no forno guardadas há semanas no Flickr e sem qualquer registo de receita aqui no blog.

O que vale é que de vez em quando faço uma ronda pelas fotos e apercebo-me destas coisas.

Talvez por isso, esta foi a receita escolhida para um jantar de amigos no passado sábado.

Bochechas de Porco com Cerveja Preta IMG_4199

Bochechas de Porco no Forno com Cerveja Preta

Ingredientes:

  • 12 bochechas de porco
  • 2 folhas de louro
  • 4 dentes de alho
  • 2 colheres de sopa de água
  • 6 colheres de sopa de azeite
  • 1 colher de chá de colorau
  • 1 colher de chá de tomilho
  • 1 cerveja preta tipo stout

Preparação:

Limpar a carne de peles e gorduras e temperar com sal, colorau, tomilho, louro, alho cortado às lascas, 1 colher de sopa de azeite e 2 colheres de sopa de água. Mexer bem, para envolver a carne na marinada. Deixar repousar por cerca de 2 a 3 horas, ou se preferir de um dia para o outro.

Ligar o forno a 180º C. Levar uma frigideira ao lume com o restante azeite e alourar a carne de um lado e do outro, juntar a cerveja preta e a marinada e levar ao forno, durante cerca de hora e meia a duas horas, voltando a carne de vez em quando e regando com mais cerveja sempre que necessário. No final a carne deve ficar bem macia e o molho deve apresentar-se grosso. Caso o molho estiver muito líquido, reserve a carne e leve o molho ao lume para engrossar.

Sirva com arroz ou puré de batata e legumes salteados ou salada verde.

Nota: Se preferir pode fazer tudo igual, mas em vez de levar ao forno deixa a cozinhar em lume brando no tacho tapado, mexendo com frequência e tendo o cuidado de nunca deixar secar o molho, juntando mais cerveja ou água sempre em pouca quantidade.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:44

Coelho com Habones Zamoranas

por Moira, em 22.09.14

A vila transmontana onde passo férias alguns dias por ano fica mesmo ao lado da fronteira com Espanha, tenho por isso a sorte de poder experimentar alguns dos produtos regionais dos nuestros hermanos a preços agradáveis, se é que me entendem.

De ambos os lados da fronteira há paisagens e costumes em comum, embora a gastronomia tenha características bem diversas.

Na região de Zamora cultivam-se estas habones muito parecidas com as nossas feijocas mas com um sabor distinto.

Neste fim de semana convidei os meus pais para almoçar e resolvi experimentar uma combinação diferente, que tirando as habones, nada tem a ver com a comida tradicional de Zamora, mas que deu conversa para o almoço.

Conta a minha mãe que lá na terra havia uma moça, de nome Maria, recém casada com um espanhol. Rapariguinha nova e sem experiência, não dominava a arte dos tachos.

Um dia perguntou ao marido o que havia de fazer para o almoço.

Ele respondeu-lhe que fizesse coelho.

Ao que ela ripostou: Coelho com quê?

Ele no gozo respondeu-lhe: Faz coelho com feijões...

A moça que nada entendia do assunto lá fez o coelho com feijões, e apesar de ser uma combinação estranha, o espanhol até gostou.

Certo é que com o tempo, lá na terra, quando se fazia alguma comida diferente, dizia-se que era à moda da Maria Pescoa.

Não sei se a Maria Pescoa ainda é viva, mas se for, tenho a certeza que ficará com um sorriso nos lábios ao saber desta minha experiência culinária que teve a aprovação de todos os comensais.

E sabem que mais? Não sobrou nem um feijão.

Coelho com Habones Zamoranas

Para a marinada:

1 coelho partido aos pedaços pequenos

3 dentes de alho

1 colher de café de cravinho em pó da Margão

1 colher de chá de colorau da Margão

meio copo de vinho

3 colheres de sopa de azeite

2 folhas de louro

1 pitada de piment d'Espelette (alternativa: pimenta ou piri-piri)

sal q.b.

Para o guisado:

500 g de Habones Zamoranas (alternativa: feijocas)

1 cebola média

1 chouriço pequeno

1 pedaço de toucinho fumado

6 colheres de sopa de azeite

Preparação:

De véspera coloque as habones ou as feijocas de molho e tempere coelho com um pouco de sal, alho picado, o cravinho, o colorau, o piment d'espelette, as folhas de louro, o vinho e o azeite, misture bem para que todo o coelho fique envolvido no molho e deixe a marinar de um dia para o outro.

Levar as habones ou as feijocas ao lume com bastante água e uma pitada de sal e deixar ferver durante cerca de 1 hora, juntamente com o chouriço e o toucinho fumado.

Num tacho colocar 6 colheres de sopa de azeite e alourar o coelho de ambos os lados, juntar a cebola picada, deixe alourar e adicionar o toucinho fumado e o chouriço cortado aos pedaços pequenos. Juntar um pouco do caldo de cozer as habones ou as feijocas e deixar cozinhar o coelho até estar tenro.

Por fim adicionar as habones ou as feijocas mexer com uma colher, se necessário adicionar mais um pouco de caldo, reduzir o lume para o mínimo e deixar fervilhar em lume brando, mais uns 15 a 20 minutos para apurar o molho.

Servir polvilhado de salsa picada e arroz branco.

Notas:

Pode substituir as habones zamoranas por feijocas ou por outro tipo de feijão a gosto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:39

Do Masterchef Austrália para a minha mesa

por Moira, em 09.10.11

Esta foi sem dúvida a receita com mais ingredientes que fiz até hoje, vi-a num dos programas do MasterChef Austrália e o meu marido ficou logo vidrado nela porque adora entrecosto.

Os dias passaram e eu nunca mais me lembrei dela, mas ele fez o favor de procurar a receita, imprimi-la e deixá-la por perto para que eu reparasse nela.

Foi assim que tive que meter mãos à obra e apesar do elevado número de ingredientes e do tempo de confecção ela acabou por ver a luz do dia.

Parece complicada, mas no final é extremamente compensadora por ser rica em sabores e aromas de outras paragens.

Aqui fica a minha adaptação.

Entrecosto de Porco Assado no Forno
Receita adaptada de uma receita do MasterChef Austrália
Ingredientes:

  • 1 kg entrecosto de porco, cortado em pedaços
  • 1 fio de azeite
  • rodelas e sumo de lima para servir

1ª Marinada

  • 1 colher de chá de açúcar mascavado
  • 2 colheres de chá de sal
  • 1 colher de chá de piri-piri
  • 1 colher de chá de pimentão doce
  • 1 colher de chá de mostarda em pó
  • 1 colher de chá de cominhos
  • 1 colher de chá de orégãos secos
  • meia cebola finamente picada
  • 2 dentes de alho, finamente picados

2ª Marinada

  • 1 colher de sopa de açúcar mascavado
  • 5 colheres de sopa de vinagre de malte
  • 1 colher de chá de canela em pó
  • 1 colher de chá de pimenta da jamaica
  • 1 colher de chá de mostarda em pó
  • 2 colheres de sopa de polpa de tomate
  • 1 colher de sopa de mostarda de Dijon
  • 125 ml de whisky
  • 1 cebola bem picadinha
  • 1 tomate fresco cortado em pedacinhos
  • 2 folhas de louro
  • 1 colher de chá de cominhos em pó
  • 1 colher de chá pimentão doce
  • 1 colher de sopa de tabasco verde
  • raspa de 1 laranja

Preparação:

Combine todos os ingredientes da primeira marinada numa tigela.

Unte os pedaços de entrecosto com o azeite e esfregue a carne com a mistura anterior. Deixe marinar por 2 a 3 horas.

Pré-aqueça o forno a 180 C.
Numa chapa ou grelhador coloque o entrecosto e deixe dourar por todos os lados para selar a carne.

Misture todos os ingredientes da 2ª marinada, coloque-os num tacho e deixe ferver, reduza o lume e deixe cozinhar por cerca de 10 a 15 minutos.
Transfira o entrecosto para uma assadeira, regue-o com a marinada quente, cubra com papel alumínio e leve ao forno por cerca de uma hora ou até notar que a carne está macia e se começa a soltar do osso, vá voltando a carne 3 a 4 vezes durante a assadura, nos últimos 20 minutos retire o papel de alumínio. Sirva o entrecosto regado com sumo de meia lima.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:25

Com um ramo de Tomilho

por Moira, em 14.09.11

Nunca fui de programar refeições com antecedência, talvez porque não gosto de rotinas, as refeições surgem quase sempre ao acaso, sem programação prévia, sem lista de compras e na maioria das vezes sem receita. Passo pelo supermercado do bairro antes de regressar a casa, olho para as coisas e surge sempre uma ideia para o jantar.

Complicado? Acredito que o seja para a maioria das pessoas, mas para mim é natural.

Foi o que aconteceu hoje, ao cruzar-me com um ramo de tomilho fresco, imediatamente pensei que teria de o levar comigo e fazer qualquer coisa com ele.

Coelho com Tomilho e Mostarda à Antiga

Ingredientes:

  • 6 mãos de coelho
  • 2 dentes de alho
  • 1 folha de louro
  • 4 raminhos de tomilho fresco
  • 3 colheres de sopa de azeite
  • 1 copo de vinho branco
  • 1 copo de água
  • 1 colher de chá de mostarda à antiga (aquela que tem grãos inteiros)
  • 1 pitada de sal

Preparação:

Temperar o coelho com o sal, o louro, o alho picado e as folhinhas de tomilho e deixar tomar sabor durante pelo menos meia hora.

Aquecer o azeite numa frigideira e alourar o coelho de ambos os lados em lume forte, quando tiver um aspecto dourado, baixar o lume e adicionar o vinho branco, deixando cozinhar até quase evaporar todo o molho, juntar então o copo de água, tapar a frigideira e deixar cozinhar em lume brando até a carne estar cozida, se necessário junte mais água, mas sempre em pouca quantidade. Quando a carne estiver cozinhada adicionar a mostarda ao molho, envolver na carne e deixar fervilhar mais uns 5 minutos só para tomar sabor. O molho no final deve ter um aspecto cremoso.

Servir com arroz de espinafres ou com legumes salteados.

 

Notas: O restante tomilho pode ser guardado no congelador. Quando compro coelho divido-o de forma a usar as diferentes partes para outras receitas. Habitualmente as pernas são para assar no forno e os lombos peço para cortar mais pequenos para fritar, assim sai mais barato do que comprar só mãos ou só pernas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:49

História de um Goulash

por Moira, em 08.08.11

O meu amigo Fernando esteve recentemente na Áustria em trabalho de onde trouxe 3 vinhos tintos austríacos.

Era preciso fazer uma comida para acompanhar com o vinho, mas a única referência que tínhamos era que o vinho era muito seco e necessitaria de uma comida forte.

Fiz uma breve pesquisa sobre a comida austríaca e o mais típico que encontrei foi "winnerschnitzel", que é basicamente um bife de porco panado e que não era exactamente o que estávamos à procura, por isso, e tendo em conta que a Áustria em tempos fez parte do império Austro-Húngaro e dele herdou muito a nível da gastronomia, optei por um prato de influência húngara e o nosso jantar foi um goulash que traduzindo para português é exactamente um guisado de carne.

Esta é, pois, a história de uma comida que foi pensada para acompanhar um vinho e embora isso possa parecer contraditório, pois a maioria das pessoas faz exactamente o contrário, a verdade é que faz todo o sentido, pois a escolha do par errado pode arruinar uma refeição.

Os vinhos que provamos foram: um Pöltl tinto de 2005 de produção particular se a memória não me falha e um Umathum tinto, de 2009 e apesar dos vinhos austriacos não terem fama a nível internacionalmente eu gostei muito de ambos.

Goulash (para 5 a 6 pessoas)

Ingredientes:

  • 1 kg de carne de vaca
  • 500 g de cebolas pequenas cortadas em gomos
  • 2 garrafas de cerveja preta (usei superbock stout)
  • 1 nabo grande cortado aos cubos pequenos
  • 2 cenouras grandes cortadas às rodelas
  • 1 embalagem de cogumelos frescos cortados em quatro (+/- 300 g)
  • 1 colher de sopa de colorau
  • 1 colher de chá de mostarda
  • sal e pimenta q.b.
  • 6 colheres de sopa de azeite
  • 1 ramo de salsa picada (+/- 2 colheres de sopa)

Preparação:

Alourar a cebola em duas colheres de sopa de azeite e reservar.

Alourar a carne em quatro colheres de sopa de azeite, juntar a cebola, as cenouras, o nabo e a cerveja.

Temperar com sal e pimenta, adicionar o colorau, a mostarda e deixar cozinhar por cerca de hora e meia em lume brando.

Entretanto alourar os cogumelos em 2 colheres de sopa de azeite.

Quando a carne estiver tenra, juntar os cogumelos e a salsa picada.

Rectificar os temperos se necessário e deixar ferver em lume forte para apurar o molho.

Servir quente com arroz branco, batata cozida ou puré de batata.

 

Nota: Quando a carne estiver pronta, quer a cebola, quer o nabo estarão desfeitos o que fará um molho grosso, sem necessidade de adicionar farinha ou amido de milho para engrossar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:58


WOOK - www.wook.pt


Fotos no Flickr




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Tradutor



Também estamos aqui

Facebook

Tertúlia de Sabores da Moira

Divulga também a tua página


Instagram

Instagram


Pinterest

Pinterest


Networked Blogs


Eventos na Blogosfera

World Bread Day

World Bread Day 2016 (October 16) World Bread Day 2015 (October 16)


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D