Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Sonho de uma Noite de Verão

por Moira, em 05.07.10

O Verão já chegou, as temperaturas têm vindo a subir e finalmente consegui encontrar uma nova ajudante de cozinha por um preço convidativo, confesso que não entendo a tão grande diferença de preços das sorveteiras, esta não chegou a custar 20 €, em cerca de meia hora tinha o gelado pronto e o único defeito que lhe encontrei foi fazer muito barulho, mas como não conheço as outras não tenho meio de comparação.

A sorveteira é óptima para utilizar a fruta que no verão amadurece mais rapidamente, como é o caso dos alperces ou dos morangos, e é graças a ela que a época dos gelados começou por aqui e vai manter-se até ao final da temporada sempre que se justificar.

Começo por um gelado fácil, a fruta pode ser alterada para outra da sua preferência, posteriormente hei-de experimentar outras misturas mais elaboradas mas igualmente simples de confeccionar.

Gelado de Alperce

Ingredientes:

  • 250 g de alperces maduros descascados e sem caroço
  • 200 g de natas
  • 120 g de iogurte natural
  • 1 colher de sopa de licor de alperce (facultativo pois usei caseiro)
  • 6 colheres de sopa de açúcar

Preparação:

Triturar a fruta e misturar os restantes ingredientes num liquidificador.

Colocar na sorveteira por cerca de 30 minutos ou conforme instruções da máquina.

 

Nota: Para fazer o gelado sem sorveteira, colocar a mistura numa caixa, levar ao congelaror batendo a massa de 20 em 20 minutos para evitar a formação de cristais.

Servir com canudinhos de baunilha, fruta em calda, molho de chocolate, amêndoas torradas ou simples.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:24

Uma Doce Preguiça

por Moira, em 03.06.10

Entre a leitura de um livro, a manicure e uns trabalhos manuais que tinha há muito na ideia, o dia fez-se de preguiça.

A entrada na cozinha deu-se ao final da tarde e depois de tanto descanso os resultados não podiam ser melhores.

Num passeio virtual pelo Flagrante Delícia, cujo livro saiu recentemente, fui buscar a massa que sabia ser de sucesso garantido, depois trouxe comigo a inspiração encontrada no blog russo da Irina Chadeyka e o marido sugeriu o iogurte, foi assim que surgiu esta sobremesa que pode ter inúmeras variantes consoante o tempo, o gosto e a vontade do freguês. Fresquinha e apetecível num dia de calor foi a nossa sobremesa neste feriado de doce preguiça.

Tarte de Chocolate com Iogurte Grego e Alperces

Ingredientes:

Para a Massa

  • 15 g de cacau em pó
  • 125 g de farinha
  • 36 g de açúcar (usei amarelo)
  • 75 g de manteiga fria cortada em cubinhos
  • 1 gema de ovo
  • 1 colher de sopa de água fria

Para o Recheio

  • 1 iogurte grego açucarado
  • 6 alperces frescos cortados ao meio e sem caroço
  • 1 colher de sobremesa de manteiga
  • 4 colheres de sopa de Vinho do Porto
  • 2 colheres de sopa de pistachos picados grosseiramente

Preparação:

Massa

Numa taça colocar a farinha, o cacau e o açúcar e misturar. Juntar a manteiga e trabalhar a massa com a ponta dos dedos até ter o aspecto de areia molhada, adicionar a gema de ovo e a água fria  e misturar rapidamente até obter uma bola que se envolve em filme de cozinha e se guarda por 30 minutos no frigorifico.

Estender a massa com o rolo da massa e com ela forrar uma tarteira previamente corrada com papel vegetal de cozinha, picar o fundo da tarte com um garfo, cobrir também com papel vegetal e colocar feijão ou grão por cima (eu uso pedrinhas) e levar ao forno quente por 15 ou 20 minutos. Retirar do forno, deixar arrefecer e reservar.

 

Recheio

Entretanto levar uma frigideira ao lume com uma colherzinha de manteiga e alourar os alperces dos dois lados, polvilhar com uma colher de sopa de açúcar ou um fio de mel, refrescar com o vinho do porto, deixar fervilhar só para evaporar o álcool, apagar o lume e deixar arrefecer.

 

Montagem

Deitar um iogurte grego açucarado sobre a base da tarte e espalhar uniformemente, colocar por cima os alperces, regar com o molho dos alperces e polvilhar com os pistachos.

Servir fresco.

 

Notas: Eu adorei o contraste do ácido dos alperces com o doce do chocolate, já o marido gostou da base e do iogurte mas não apreciou o ácido dos alperces que colmatou regando o doce com um fio de mel.

A tarte é pequena, não se esqueçam que por aqui na maioria das vezes cozinha-se apenas para dois, por isso se quiserem uma tarte maior terão que duplicar as quantidades.

A base da tarte pode ser feita de véspera, no entanto o recheio deve ser colocado no máximo uma hora antes de servir para não ficar tudo molengão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:30

Do Maghreb para a Sobremesa

por Moira, em 11.05.10

Há um tempo que andava a fazer experiências para uma sobremesa à base de cuscuz, finalmente cheguei a uma do meu inteiro agrado, pelo caminho ficaram algumas experiências frustradas e um provador desesperado.

É uma sobremesa simples para quem não gosta de coisas excessivamente doces e por isso para comer sem remorsos.

O cuscuz feito à base de sêmola de trigo é originário do Norte de África e muito popular na região do Maghreb.

Na Europa é conhecido como couscous, do árabe kuskus, tem a sua origem na palavra "seksu".

A primeira referência ao cuscuz aparece no século XIII, num Livro de Cozinha do Maghreb e Al-Andalus, nome por que era conhecida a península Ibérica sob o domínio Árabe, a maioria dos pratos à base de cuscuz são salgados, com legumes, borrego ou frango, mas também existem algumas versões doces.

Hoje em dia é fácil encontrar no supermercado o cuscuz pré-cozido, uma espécie de cuscuz instantâneo que se hidrata num líquido e que está pronto a ser usado em cerca de 10 minutos se o líquido for quente e 30 a 45 minutos se o líquido for frio, nada como seguir as instruções da embalagem que varia ligeiramente no tempo de cozedura consoante a marca.

Apresento-vos a sobremesa do Ali-Bábá:

Cuscuz com Chá e Frutos Secos (2/3 pessoas)

Ingredientes:

  • 2,5 dl de água
  • 1 colher de chá de folhas chá preto Earl Grey
  • 5 tâmaras (+/- 50 g)
  • 6 alperces secos (+/- 40 g)
  • 3 colheres de sopa de sultanas (+/- 30 g)
  • 1 colher de sopa de pinhões
  • 1 colher de chá de mel + 1 colher de sobremesa de mel
  • 1 chávena pequena de cuscuz (usei das de café)
  • 1 colher de café de manteiga
  • 1 pitada de canela

Preparação:
Aquecer a água e imediatamente antes de começar a ferver deite-a sobre as folhas de chá, deixar em infusão entre 8 a 10 minutos e coar.

Cortar os alperces e as tâmaras em cubinhos. Numa taça colocar as sultanas, os alperces e as tâmaras e deitar sobre eles 100 ml de chá adoçado com uma colher de chá de mel, deixar macerar pelo menos durante uma hora a duas horas, (eu deixei de um dia para o outro).

Colocar uma chávena de cuscuz numa taça e vazar por cima igual quantidade de chá quente adoçado com uma colher de sobremesa de mel e a manteiga, tapar e deixar hidratar por cerca de 10 minutos.

Numa frigideira anti-aderente colocar os pinhões e levar ao lume mexendo sempre até alourar.

Mexer o cuscuz com um garfo para soltar os grãos e misturar com os frutos secos, polvilhar com canela, colocar em tacinhas e servir decorado com uma folhinha de hortelã.

Notas: Se quiserem podem hidratar os frutos com vinho do porto ou outro vinho doce para uma versão alcoólica. O chá pode ser preto, de menta ou outro do vosso agrado. Os pinhões podem ser substituídos por amêndoas torradas e lascadas, ou por nozes partidas. E os frutos secos podem variar consoante o gosto, ameixas secas, figos ou até frutos cristalizados picadinhos. Uma raspa de limão também não ficaria mal, mas por incrível que pareça não tinha limões em casa.

Se forem muito gulosos adicionam mais mel ou açúcar amarelo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:53

Magret de Pato com Puré de Marmelo e Grelos Salteados

por Moira, em 05.10.08

Quando me apetece algo especial penso sempre em Magret de Pato, não sei bem porquê ...

 

Durante muitos anos não gostei desta carne, hoje em dia faço-a de maneiras diversas, no entanto leva sempre um molho adocicado.

 

Procurei inspiração em vários livros, na própria embalagem onde vinha o Pato vinham duas receitas muitos boas, mas acabei a fazer uma adaptação de uma receita do livro Tapas, de Ricardo Esteves Cardoso da Editora Dinalivro de que já vos falei anteriormente, e que aconselho vivamente.

Hoje o Magret de Pato teve honras ao almoço, o D. ia de viagem, durante o resto do dia ia estar por vários aeroportos e todos sabemos que poucos são os aeroportos com refeições dignas desse nome.

 

Magret de Pato

Magret de Pato com Puré de Marmelo e Grelos Salteados

 

Ingredientes:

  • 2 peitos de Pato (vulgarmente conhecido por magret +/- 400g)
  • 6 alperces secos
  • 1 cálice de Moscatel de Setúbal
  • 1 cebola média cortada aos gomos fininhos
  • sal e pimenta q.b.

Preparação:

Dar uns cortes ligeiros na pele do pato de forma a desenhar losangos e levá-los ao lume numa frigideira aquecida, sem mais nada com a pele virada para baixo, deixar tostar, virar os peitos de pato para tostar do outro lado, temperar então com sal e pimenta acabada de moer e reservar. Refogar a cebola na gordura que o pato largou, até ficar dourada, repor os peitos de pato na frigideira adicionar os alperces e o moscatel, tapar e deixar cozinhar lentamente em lume brando. (Se preferir pode levá-los ao forno aquecido a 200º tendo o cuidado de tapar o tabuleiro com folha de alumínio para não secar a carne em demasia).

 

Magret de Pato com Puré de Marmelo e Grelos Salteados

Para acompanhamento, e porque estamos na época dos marmelos, fiz um puré de marmelo, posso dizer-vos que é muito melhor do que puré de maçã.

Cozi quatro marmelos cortados aos pedaços, com 1 pau de canela pequeno, 1 colher de sopa de açúcar e 1 cravinho. Depois de cozidos, reservei a água da cozedura que há-de servir para fazer uma geleia, e esmaguei-os com um garfo.

Cozi e salteei uns grelos com um dente de alho picado e um fio de azeite. Usei congelados, mas foi a primeira e a última vez, não ficaram do meu agrado, não há como uns belos grelos de nabo frescos.

Por fim e porque uma refeição especial tem que ter um bom vinho a acompanhar, escolhi por graça um vinho com o meu "nickname", está à venda na feira dos vinhos de um conhecido hipermercado a que não vou fazer publicidade.

É um Moira's Reserva, da Adega das Mouras de Arraiolos, provem e logo vêem, eu gostei!

MoiraMoira's

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:22

Doces e Compotas

por Moira, em 15.09.08

Para que não restem dúvidas e porque me têm perguntado, eu faço quase todos os doces no micro-ondas, a técnica é idêntica para todos eles, excepto para o doce de abóbora gila que para além de muito trabalhoso, deve seguir regras muito específicas e por isso é sempre feito no fogão.

A preparação dos doces no micro-ondas tem um "senão", é que não dá para fazer grandes quantidades, assim se quer utilizar um quilo ou mais de fruta, faça o doce da forma tradicional.

Doce de Pêssego e Alperce 

Utilizando 300 ou 400 gramas de fruta dá para matar a saudade de um doce caseiro, só que feito com mais rapidez e rende um frasco médio ou dois pequenos de doce.

A imaginação não tem limites, por isso dêem asas à imaginação... 

Notas importantes:

Utilizar um pirex largo e fundo e nunca utilizar mais que 1/3 da capacidade do recipiente, para o doce não sair por fora durante a cozedura.

Não utilizar recipientes de plástico, durante a cozedura o ponto do açúcar pode derreter o recipiente.

A duração da cozedura no micro-ondas para uma quantidade de 300 a 400 g varia entre 15 e 20 minutos consoante a potência do seu aparelho e deve mexer o doce com uma colher de pau de cinco em cinco minutos, para que a cozedura seja uniforme.

Utilizar a mesma quantidade de fruta que de açúcar, se quer reduzir algum açúcar em 300 ou 400 g de fruta nunca deverá reduzir mais que 100 g, não se esqueça que este doce não leva conservantes e que se reduzir no açúcar ele vai ganhar bolor no final da primeira semana.

Para saber se o doce está no ponto certo, tire uma colher de doce para um prato e deixe arrefecer, para ver se está na consistência certa. Quando o doce acaba de fazer a sua consistência ainda é um pouco líquida, mas ao arrefecer torna-se mais denso.

Espero ter esclarecido todas as vossas dúvidas, no entanto podem sempre deixar comentários ou enviar e-mails.

Doce de Pêssego e Alperce

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:36


WOOK - www.wook.pt


Fotos no Flickr




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Tradutor



Também estamos aqui

Facebook

Tertúlia de Sabores da Moira

Divulga também a tua página


Instagram

Instagram


Pinterest

Pinterest


Networked Blogs


Eventos na Blogosfera

World Bread Day

World Bread Day, October 16, 2017 World Bread Day 2016 (October 16) World Bread Day 2015 (October 16)


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D