Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Uns Biscoitos e Alguns Conselhos

por Moira, em 03.12.10

Para satisfazer os pedidos de alguns gulosos, dos que provaram e dos que apenas viram as fotos, hoje temos biscoitos.

Mas antes da receita algumas reflexões sobre blogs e outras coisas a eles inerentes.

Como sabem este blog completou três anos de existência no passado mês de Novembro, e de vez em quando recebo pedidos para opinar sobre o aspecto ou o conteúdo de blogs que estão agora a começar, eu não sou perita em coisa nenhuma, excepto no que diz respeito ao comando dos tachos na minha casa, mas, ao longo deste tempo que afinal parece tão breve, aprendi que nestas andanças de blogs devemos deixar que as coisas aconteçam naturalmente e ao seu ritmo.

Aspecto Gráfico e não só

Para quem está agora a começar o meu conselho é que sejam originais, isso vai fazer com que o vosso blog seja especial, por vezes único, para quem o lê, para isso a apresentação visual do blog é importante e deve ser conjugada com outros factores não menos importantes como a fotografia, a originalidade das receitas e até dos textos.

Comentários e Visibilidade

Para que as pessoas saibam que o vosso blog existe não há necessidade de deixar links para o vosso blog em cada comentário que fazem noutros blogs, pois isso soa tipo eu estou aqui venham visitar-me, ou tipo eu passei por cá agora tens que me retribuir a visita. Deixem comentários genuínos que como disse acima as coisas acontecem naturalmente, as visitas não aumentam de um dia para o outro apenas porque deixamos comentários noutros blogs, elas são fruto de um trabalho árduo que é feito a cada post que publicamos.

Eu pessoalmente não sou amiga de semear comentários por todos os blogs que visito, e são muitos acreditem, prefiro responder aos comentários que me deixam, por uma questão de gentileza  e só comento postagens que realmente me agradam, mas isso foi uma decisão minha e não me considero exemplo para ninguém.

Ritmo

Não há necessidade de publicar diariamente, mas é importante manter um ritmo mais ou menos constante e um conteúdo interessante.

Fotografia

Outra coisa importante é o que diz respeito à fotografia, continuo a ver por aí muitos blogs com uma foto de cada nação, ou seja a pessoa coloca a receita e vai ao google procurar uma foto que ilustre aquilo que fez, isto confesso que é das coisas que mais me tira do sério como dizem as minhas amigas brasileiras, principalmente quando não dão os créditos à pessoa que fotografou. É que tirar fotografias dá trabalho, em muitos casos é necessário criar um cenário, e fazer uma quantidade de fotos acima do normal para escolher aquela que melhor ilustra o prato que fizemos, sujeitando-se no final a comer tudo frio, a receber reclamações de quem está á espera para comer para no final ver a sua foto roubada, digamos que não é justo.

As Ideias e As Fontes para uma Partilha Saudável

As grandes ideias raramente surgem do nada, por isso não tenham receio de dizer que o resultado magnífico que tiveram numa determinada receita por todos elogiada foi fruto de inspiração, numa revista, num livro, num site, num fórum ou num blog mesmo que escrito em javanês.

O que quero com isto dizer ?

É que o mundo é pequeno e de repente alguém pode chegar à receita original com um simples click do rato e perceber que afinal aquele blog com ideias tão giras afinal limita-se a copiar o trabalho de outras pessoas, não seria bonito pois não?

Quem me acompanha sabe que desde o início faço questão de mencionar as fontes das receitas que reproduzo, muitas vezes o resultado final já nada tem a ver com o original, mas ainda assim considero importante divulgar a fonte da receita ou da inspiração que levou à receita.

E aqui dou-vos um exemplo prático, a receita que vos trago hoje foi inspirada numa receita do Livro de Receitas básicas da Bimby que foi publicada no Blog Pão e Beldroegas recentemente.

Entre os Bolinhos da Olinda da Gisela e os meus Biscoitos de Alfarroba e Amêndoa existem diferenças consideráveis, quer no aspecto, quer no sabor.

Eu podia fazê-los, fotografá-los e publicá-los sem que ninguém desse por isso, mas para a mim não seria a mesma coisa, e este para mim é um dos factores mais importantes, por uma questão de ética eu faço questão de indicar sempre que possível a origem de cada receita.

 

Espero que os conselhos sejam úteis para quem começa agora e que também possam ajudar a mudar alguns hábitos de quem já anda por aí há algum tempo. Críticas são sempre bemvindas, desde que construtivas e sugestões são uma bênção caída do céu.

Biscoitos de Alfarroba e Amêndoa

Ingredientes:

  • 200g de farinha de trigo

  • 50 g de farinha de alfarroba

  • 50 g de amêndoa moída

  • 100g de açúcar

  • 100g de manteiga

  • 1 ovo pequeno + 1 clara

  • 1 colher de chá de fermento em pó

  • 100 g de amêndoa lascada para pôr por cima dos biscoitos

Preparação Tradicional
Colocar todos os ingredientes numa taça e misturar bem, com a ajuda de uma batedeira, ou uma colher de pau, até a massa ficar moldável.

Tender pequenas bolinhas, achatá-las ligeiramente e passar a parte de cima das mesmas por amêndoa lascada. Dispor num tabuleiro forrado de papel vegetal. Levar ao forno a cozer durante 10 minutos a 180º.

Preparação Bimby / Thermomix
Colocar todos os ingredientes, excepto a amêndoa lascada, no copo e programar 15 segundos, vel. 6.

Tender pequenas bolinhas, achatá-las ligeiramente e passar a parte de cima das mesmas por amêndoa lascada. Dispor num tabuleiro forrado de papel vegetal. Levar ao forno a cozer durante 10 minutos a 180º.

 

Fonte - Livro base da Bimby baseado nos Bolinhos da Olinda

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:03

Petits Fours

por Moira, em 15.11.10

O livro das Técnicas Culinárias do Le Cordon Bleu dedica-lhes uma página, são pequeninos, "delicados, elegantes e deliciosamente sofisticados", eles são os chamados petits fours, e entre eles estão os Financiers.

Sempre os olhei com desconfiança, não sei se por serem demasiado simples ou se por serem feitos só com claras, certo é que demorei muito tempo a experimentá-los e já senti mil e um arrependimentos.

Em Portugal temos muito mais doces a usar as gemas do que as claras, muitas pessoas chegam a deitá-las fora, mas não há necessidade de estragar. As claras podem perfeitamente ser guardadas durante uma semana no frigorifico dentro de um recipiente bem fechado, ou congeladas durante algumas semanas.

Não me lembro onde gastei as gemas, o que é certo é que tinha um excedente de claras resolvi dar-lhes uso.

Será que podemos chamar a isto reciclar ? É certo que estou a aproveitar umas claras que tinha a mais, mas não estou a reaproveitar sobras, e por isso ainda não será esta a receita para o Projecto Reciclar, mas passem por lá e atrevam-se a participar neste desafio, que para além de útil me parece de reflexão importante.

 

Mas vamos ao que aqui me trouxe, os tais bolinhos que em França se chamam Financiers e noutros locais dão pelo nome de Friands, estes bolinhos foram feitos especialmente para receber a minha amiga Pipoka para um lanche de tagarelice e experiências fotográficas.

Enquanto esperamos por mais receitas dos blogs convidados, deixo-vos estes bolinhos para se entreterem e não se esqueçam, dia 20 é já no próximo sábado, dia para publicarem a receita do aniversário do Tertúlia, preparadas para receberem a Moira para Jantar?

Financiers (ou Bolinhos de Amêndoa)

Ingredientes:

  • 120 g de margarina derretida
  • 120 g de claras
  • 120 g de açúcar
  • 60 g de farinha de trigo
  • 60 g de farinha de amêndoa (amêndoa finamente triturada)

Preparação:

Misture todos os ingredientes até obter uma massa lisa.

Coloque em forminhas untadas e enfarinhadas, ou use o spray da espiga e já não é necessário enfarinhar.

Vai ao forno aquecido a 200º durante cerca de 10 minutos ou até quando espetando um palito o mesmo sai seco.

 

Notas:

Esta quantidade rendeu-me 6 bolinhos, mas as minhas formas não são tão pequeninas como eu queria.

Para esta receita não se batem as claras em castelo e também não leva fermento nenhum.

Segui a receita do Le Cordon Bleu, mas retirei as passas e o rum que levava (30g de passas + 3 colheres de sopa de rum) e dupliquei a receita e ainda bem pois a original nas minhas formas teria dado 3 bolinhos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:38

... 48 ...

por Moira, em 07.09.10

Mimada pela família, pelos amigos e até pelo Sapo, hoje o dia é meu e será adoçado por chocolate e avelãs.

Bolo de Chocolate e Avelãs

Ingredientes:

  • 6 ovos grandes
  • 300 g de açúcar
  • 100 g de miolo de avelã
  • 200 g de chocolate para culinára com pedaços de avelã
  • 100 g de cacau em pó
  • 250 g de margarina
  • margarina e farinha para untar a forma
  • açúcar em pó para polvilhar

Preparação:

Ligue o forno e regule a temperatura para os 200° C.

Unte uma forma com margarina, forre o fundo com papel vegetal e unte-o também. Polvilhe com farinha e reserve

Separe as gemas das claras.

Bata as gemas com o açúcar durante cerca de 10 a 15 minutos.

Parta o chocolate em quadradinhos, junte-lhe o cacau e a margarina cortada em pedaços e leve ao micro ondas, durante 1 minuto na potência máxima, para derreter. Mexa com uma vara de arames até o creme de chocolate ficar liso e homogéneo.

Bata as claras em castelo bem firme.

Misture o creme de chocolate com a gemada, usando ainda a batedeira eléctrica.

Adicione a avelã ralada com uma colher de pau e finalmente envolva suavemente, e aos poucos, as claras batidas em castelo.

Leve ao forno e deixe cozer durante cerca de 40 minutos.

Desenforme e enfeite a gosto, com açúcar em pó.

 

Notas:

Aviso desde já que o bolo não leva farinha nem fermento, não pensem que fui eu que me esqueci.

O chocolate com avelãs pode ser substituído por chocolate normal de culinária que é o que habitualmente uso para este bolo.

Baseado nesta receita de um site bastante inspirador.

 

Actualização a 8 de Setembro:

Para os gulosos que gostam de saber como fica o bolo por dentro, aqui ficam as fotos possíveis da única fatia que sobrou, dizem que é a da vergonha...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:05

Gone Nuts - BBD #31

por Moira, em 30.06.10

Já todos perceberam que eu adoro fazer pão e desde que tenho este blog que faço pão todas as semanas, ao final deste tempo continuo a ficar hipnotizada a olhar para o forno a ver o milagre da transformação da massa e enebriada com o aroma do pão récem cozido.

Falta-me experimentar muita coisa em termos de pão, gostava de experimentar a "sour dough" ou "massa madre" cujo nome em português ainda não consegui perceber se é isco, massa mãe ou massa velha, seja como for parece-me a forma mais primária e saudável de fazer pão que no fundo é criar o fermento apenas a partir de farinha e água, sem qualquer químico ou aditivo, mas ainda não é desta vez que eu entro nessa aventura.

Para participar no 3º aniversário do BreadBakingDay promovido pela Zorra cujo tema são Pães com Frutos Secos resolvi fazer um Pão de Batata Doce e Nozes.

Pão de Batata Doce e Nozes

Ingredientes:

  • 450 g de batata doce cozida e esmagada com um garfo
  • 500 g de farinha T65
  • 200 ml de água morna (+/-)
  • 11 g de fermipan
  • 50 g de nozes
  • sal q.b.

Preparação:

Coze-se a batata doce, préviamente descascada, deixa-se arrefecer um pouco e desfaz-se com um garfo. Junta-se farinha, o sal, o fermipan, a água morna aos poucos e amassa-se muito bem, por fim adicionam-se as nozes. A massa deve ficar ligeiramente mais húmida do que a do pão e quanto mais amassar, melhor fica.
Depois de bem amassada, deixa-se levedar até duplicar de volume. Com as mãos enfarinhadas divide-se a massa e fazem-se umas bolas, que se deixam repousar mais 15 a 20 minutos antes de ir para o forno.

Coze em forno quente cerca de 20 a 25 minutos.

Nota: Se gostarem também podem adicionar à massa umas passas de uva ou figos secos finamente picados.

 

In English:

Walnuts and Sweet Potato Bread

Ingredients:

  • 450 g sweet potatoes, boiled and crushed with a fork
  • 500 g all porpose flour (T65)
  • 200 ml warm water (+/-)
  • 11 g de yeast for bread 
  • 50 g walnuts
  • salt q.b.

Preparation:

Peel and boil the sweet potatos and smash them with a fork, let them cool until warm, then add the flour, salt, yeast and the warm water gradually, knead very well. Add more warm water if necessary. The dough shoud be slightly wetter then bread dough and the more knead the better it gets. Let rise in a warm place covered with a cloth, until it duplicates volume.

Then divid the dough into pieces, make the breads and let rise for another 15 to 20 minutes.

Bake in preheated oven (220º) for about 20 to 25 minutes, it depends on the oven.

 

If you like it you can add to the dough dried grappes or figs finely chopped.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:21

Com Mel e Amêndoas

por Moira, em 07.06.10

Já tinha visto por aí, mas na realidade nunca pensei que fosse tão bom.

Sendo uma pessoa que gosto de praticamente tudo às vezes não sou muito dada a inovações, eu passo a explicar, para mim o requeijão é bom salgado e com ervas ou doce com compota de abóbora.

Por isso a ideia de pespegar com um requeijão no forno a alta temperatura e ainda por cima coberto de mel, era para mim inconcebível, mas tinha um requeijão no frigorifico que estava quase passar de prazo e a voz da consciência a dizer-me que não se pode estragar nada...

Foi assim que a conselho de uma colega de trabalho lá enviei o requeijão para o forno e o resultado foi surpreendente, a repetir muitas e muitas vezes.

 

Requeijão no Forno com Mel e Amêndoas

Ingredientes:

  • 1 requeijão
  • 2 a 3 colheres de sopa com mel transmontano de Rosmaninho
  • 2 colheres de sopa de amêndoas picadas

Preparação:

Retirar o requeijão da embalagem, colocar num prato que possa ir ao forno, regar com o mel e levar ao forno aquecido a 180º durante cerca de 10 minutos. Retirar do forno, colocar as amêndoas picadas grosseiramente por cima, regar com o mel que está no fundo do prato e voltar a pôr no forno de novo mais 5 minutos ou até as amêndoas estarem ligeiramente douradas.

Servir morno.

 

Notas: A meio da cozedura virei o requeijão, mas não me parece que seja necessário.

Creio que habitualmente leva nozes, mas eu substitui por amêndoas que era o que tinha em casa.

Pode usar qualquer tipo de mel, embora o mel tenha sabores e cores muito distintos consoante as regiões e as plantas das redondezas, por exemplo eu adoro mel de rosmaninho que é claro e perfumado mas já não aprecio o mel de urze que é escuro e com um leve travo amargo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:42


WOOK - www.wook.pt


Fotos no Flickr




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Tradutor



Também estamos aqui

Facebook

Tertúlia de Sabores da Moira

Divulga também a tua página


Instagram

Instagram


Pinterest

Pinterest


Networked Blogs


Eventos na Blogosfera

World Bread Day

World Bread Day, October 16, 2017 World Bread Day 2016 (October 16) World Bread Day 2015 (October 16)


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D