Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Depois das Cerejas vêm os Morangos

por Moira, em 27.05.11

Foi graças ao Clafoutis do post anterior que  ouvi falar pela primeira vez de Christophe Felder, e foi graças a ele que eu descobri esta compota de morango tão original quanto saborosa.

A compota foi feita ontem à noite, as fotos hoje de manhã, ainda meio ensonada saboreei as torradas na perspectiva de um dia muito mais doce.

É um óptimo acompanhamento para torradas, scones, crepes ou uma simples fatia de pão de ló.

Compota de Morango com Laranja e Coentros

Ingredientes:

  • 350 g de morangos lavados e sem pé
  • 200 g de açúcar
  • casca de meia laranja pequena
  • sumo de meia laranja pequena
  • 1 pitada de sementes de coentros em pó (a ponta de uma colher de café)
  • 3 folhas de coentros

Preparação:

Colocar todos os ingredientes num tacho, excepto as folhas de coentros, e deixar macerar por um par de horas.

Ao fim desse tempo levar ao lume e quando levantar fervura baixar o lume e deixar fervilhar por cerca de meia hora, ou até o doce atingir o ponto desejado. Deve retirar a espuma que se vai formando ao de cima do tacho.

Antes de apagar o lume acrescente as folhinhas de coentros e mexa para aromatizar. Não esquecer de escaldar o frasco onde vai guardar o doce e tapá-lo de imediato.

Notas: A receita está no site do Christophe Felder, e as minha alterações foram diminutas, usei coentros em pó em vez das sementes partidas, e coloquei a casca da laranja em vez da raspa.

Não caia na tentação de acrescentar mais coentros frescos, esta quantidade nota-se bem no sabor final, se o fizer vai ter um doce só a saber a coentros e não a morangos. 

Esta quantidade dá para um frasquinho de compota.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:43

Doces Enganos ou uma Compota Exótica

por Moira, em 09.09.10

Tudo começou com um presente que recebi recentemente e a vontade de aproveitar umas frutas tropicais que sobraram da minha festa de aniversário.

Há tempos recebi de uma amiga e leitora do Blog uma caixinha vinda da Tunísia, com uma série de especiarias, entre as quais uma mistura que dá pelo nome de "4 spices" que neste caso é uma mistura de pimenta, cravinho, noz moscada e gengibre, habitualmente esta mistura é usada para sopas, guisados, vegetais e salames.

Acontece que também existe uma mistura, que tem exactamente o mesmo nome mas em que a pimenta é substituída por canela e que é usada em doces.

Ora eu li "4 spices" e pensei imediatamente em doces, vai daí pego em meia colher de café da mistura e zás, para dentro do tacho da compota, sinto o cheiro... pânico... isto cheira a pimenta... pego na caixa, leio os ingredientes e fez-se luz, tinha acabado de adicionar uma mistura com pimenta à minha compota.

É o que dá quando se anda com a cabeça no ar!

E quando assim é, normalmente sai asneira.

Errado!

Desta vez, e meramente por acaso como já puderam constatar, saiu da minha cozinha uma compota de frutos tropicais bastante exótica, e embora eu seja suspeita diria que está uma especialidade.

Quem se atreve a experimentar?

Compota de Frutos Tropicais

Ingredientes:

  • 550 g de frutos tropicais (manga, ananás, kiwi, papaia e pêssego que não é tropical mas fazia parte das sobras)
  • 300 g de açúcar
  • casca e sumo de uma lima (limão verde)
  • 1/4 de colher de café de "4 spices" (pimenta, cravinho, noz moscada e gengibre)
  • 1/4 de colher de café de canela moída

Preparação:

Tradicional

Pique as frutas em pedaços miúdinhos coloque num tacho com o açúcar e os restantes ingredientes, mexa com uma colher de pau para dissolver o açúcar e deixe cozinhar em lume brando cerca de 25 a 30 minutos mexendo de vez em quando.

Retire a casca da lima, coloque em frascos previamente escaldados, tape e vire o frasco com a tampa para baixo durante pelo menos meia hora.

 

Bimby / Thermomix

Colocar o açúcar e a fruta no copo e triturar 10 seg/Vel 5, de seguida junte as especiarias, o sumo e a casca da lima e programe 30 minutos, 100º, velocidade 1. No final porque o achei ainda demasiado líquido programei mais 5 minutos, Varoma, velocidade 1.

Retire a casca da lima, coloque em frascos previamente escaldados, tape e vire o frasco com a tampa para baixo durante pelo menos meia hora.

 

Notas: como disse acima fiz esta compota para aproveitar alguma fruta que me tinha sobrado descascada e cortada de véspera, mas como referência e uma vez que não pesei cada uma das frutas individualmente, utilizei mais ou menos, 1 kiwi grande, 1/4 de papaia, 2 fatias de ananás, meia manga média e meio pêssego. Também pode fazer a compota com sobras de salada de frutas.

Provei o doce com queijo fresco de cabra alentejano, tal como previa fez uma combinação agradável.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:49

A Festa das Ameixas

por Moira, em 28.09.09

Esta é a adaptação de uma receita da Nigella Lawson, que a Fer encontrou no Lobstersquad e que eu ao vê-la no Chucrute com Salsicha, não tive dúvidas que tinha que a fazer.

Pensei em usar Vinho do Porto ou Moscatel, mas fiquei tão curiosa em relação ao vinho licoroso Pedro Ximénez que esperei pacientemente uma ida a Espanha para o comprar e não me arrependo. Pedro Ximénez Dos Pasas é um vinho doce diferente de tudo o que provei até hoje, feito a partir de passas de uva tem um sabor único, óptimo para acompanhar sobremesas, em suma, uma verdadeira delícia.

Quanto à receita é muito simples e o resultado final surpreendente, pois pode comer-se simples, com iogurte natural ou com quark e acho que acompanhará na perfeição uma simples panna cotta, ou um manjar de coco.

Era para ser para o dia da cor mas não resisto a publicá-la já.

Ameixas Pretas com Chá e Pedro Ximénez

Ingredientes:

  • 250 g de ameixas secas
  • 500 ml de chá (usei earl grey, mas pode ser outro tipo de chá preto)
  • casca de laranja às tirinhas
  • 1 pau de canela
  • 4 cravinhos
  • 1 estrela de anis (não coloquei porque não tinha)
  • 80 g de açúcar mascavado
  • 100 ml de vinho Pedro Ximénez

Preparação:

Colocar tudo num tacho excepto as ameixas e deixar levantar fervura, adicionar as ameixas e deixar cozer durante 20 minutos. Guardar em frascos e consumir como acompanhamento de doces ou iogurte.

Nota: No final da cozedura, retirei as ameixas e deixei ferver mais um pouco para obter um xarope mais espesso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:35

Os últimos figos da temporada

por Moira, em 17.09.09

As figueiras já estão sem figos, no meu frigorifico ainda jaziam uns quantos à espera de destino, queria fazê-los no forno, mas já estavam muito maduros, e ao gastar a última colherada de doce de figo que ainda tinha do ano passado não tive dúvidas que aqueles figos tinham o destino traçado por isso depressa foram parar ao tacho.

Inspirada por uma receita antiga da querida Pipoka, uma das Three Fat Ladies, cujo perfil não consigo imaginar nada gorducho, enquanto cozia pão e fazia o jantar ainda houve tempo para descascar os figos, fazer o doce e claro prová-lo sobre um cantinho do pão acabado de sair do forno.

Ainda estou para saber onde fui buscar tanta energia...

É que caso não saibam, nesta cozinha há muito poucas máquinas por haver uma considerável falta de espaço e algumas manias à mistura.

Este doce de figo também já tem destino traçado, a repetição dos folhados com chèvre cuja receita vos dou abaixo.

Doce de Figo

Ingredientes:

  • 500 g de figos sem casca e cortados grosseiramente
  • 300 g de açúcar
  • 2 colheres de sopa de vinho do porto ou outro vinho licoroso (usei o meu Hypocras)
  • 1 pau de canela
  • 1 colher de sopa de sumo de limão
  • 70 g de nozes picadas grosseiramente

Preparação:

Coloque tudo dentro de um tacho, excepto as nozes, e deixe cozinhar lentamente, mexendo de vez em quando para não pegar até ter a consistência desejada.

Adicione as nozes mexa e deixe ferver mais um minuto ou dois.

Coloque em frascos previamente aquecidos com água quente e bem secos.

Tape os frascos e vire-os ao contrário durante cerca de uma hora.

Pode consumir o doce em torradas, bolachas ou guarde-o para momentos únicos de prazer como é o caso destes deliciosos folhados de queijo que vos apresento a seguir.

Nota: Quando os figos se apresentam com uma pela lisa e uniforme não é necessário tirar a casca. Foi a primeira vez que tirei pois a pele já se encontrava um pouco murcha do frio da refrigeração.

Folhados de Chèvre com Doce de Figos e Nozes

Ingredientes:

  • massa folhada (costumo usar daquela que é só desenrolar e cortar)
  • doce de figo com nozes
  • queijo chèvre

Preparação:

Cortar a massa folhada em rectângulos, colocar no meio uma colherzinha de doce de figo com nozes e por cima o chèvre esfarelado, dobrar uma das partes da massa por cima do recheio e depois a outra, como se fosse um travesseiro, pincelar com gema de ovo em que dissolveu uma colher de sopa de leite e levar ao forno durante cerca de 15 minutos, servir quente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:10

Um doce amanhecer

por Moira, em 19.06.09

A ameixieira da minha cunhada está no auge de "produção", parece que todas as flores se transformaram em pequenas ameixinhas, que começaram a cair ao chão com a mais leve brisa.

Este foi o prenúncio de que íamos ter muitas ameixinhas:

Outro dia comecei a apanhar as ameixas caídas, que tinham apenas uns leves arranhões e resolvi fazer uma compota.

Na altura não coloquei por aqui nada, achei que era apenas mais um doce, isto foi há uma semana atrás.

Hoje ao pequeno almoço, o marido perguntou-me já só há este doce?

Nós já comemos isto tudo?

É verdade, numa semana demos cabo de um frasco enorme de doce, o que prova que estava muito bom, é preciso mencionar que cá em casa somos apenas dois, e nem sequer somos gulosos.

Compota de Ameixa

Ingredientes:

  • 400 g de ameixas, descascadas e descaroçadas
  • 250 g de açúcar

Preparação:

Misturar a fruta com o açúcar e levar ao lume mexendo até dissolver todo o açúcar.

Deixar ferver em lume brando, mexendo de vez em quando e retirando a espuma que se forma à superfície, até ter a consistência certa.

Coloque num frasco escaldado e seco, tape e vire de "patas para o ar" para criar vácuo, mas não os deixe arrefecer assim. Claro que esta última parte eu não preciso de fazer pois só faço um frasco de doce e ele desaparece numa semana, mas é importante fazê-lo quando se fazem grandes quantidades de doce.

Para saber se o doce está na consistência certa ponha uma colher de doce num prato, deixe arrefecer e passe o dedo, se o doce enrugar e está no ponto certo.

Ameixinha, esta é para ti.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:02


WOOK - www.wook.pt


Fotos no Flickr




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Tradutor



Também estamos aqui

Facebook

Tertúlia de Sabores da Moira

Divulga também a tua página


Instagram

Instagram


Pinterest

Pinterest


Networked Blogs


Eventos na Blogosfera

World Bread Day

World Bread Day 2016 (October 16) World Bread Day 2015 (October 16)


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D