Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Pequenas Delícias

por Moira, em 29.06.11

Esta é uma daquelas entradas que não custa nada a fazer e é uma delícia.

Falaram-me dela, quando fiz o requeijão assado com mel e amêndoas e desde essa altura já o fiz vezes sem conta, a ideia original creio que é de uma Blue Cooking e está no Fipas Cook, que infelizmente está parado há exactamente um ano.

Deixo-vos a minha versão.

Requeijão Assado com Azeite e Ervas

  • 1 requeijão
  • 1 colher de sobremesa cheia de Ervas de Provença
  • 1 fio de azeite
  • sal e pimenta q.b.

Preparação:

Colocar um pouco de azeite num recipiente que possa ir ao forno, por o requeijão por cima e polvilhá-lo com as ervas, regar com mais um pouquinho de azeite e levar ao forno quente a 180º até estar dourado.

Sirva quente com pão fatiado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:24

Uma Porção do Paraíso

por Moira, em 26.06.11

Uns partem porque vão de férias, outros partem na concretização de sonhos antigos, por isso a escolha de hoje é tão intensa quanto uma despedida e forte como a saudade.

Pudim Cremoso de chocolate

Ingredientes para 6 taças pequenas

  • 2 e ¼ chávenas de leite gordo
  • 6 colheres de sopa de açúcar
  • 2 colheres de sopa de cacau em pó
  • 2 colheres de sopa de amido de milho (Maizena)
  • 1 pitada de sal
  • 1 ovo grande
  • 2 gemas
  • 125 g chocolate negro em tablete
  • 2 colheres de sopa de manteiga sem sal
  • 1 colher de chá de extracto de baunilha

Preparação:

Tradicional
Pique o chocolate e reserve.

Leve um tacho ao lume com metade do açúcar e 2 chávenas de leite.
Entretanto misture o amido de milho, o cacau e o sal e reserve.
Numa taça, misture o restante açúcar, o ovo e as gemas e bata com a batedeira até obter uma mistura cremosa, adicione o leite restante (1/4 chávena) e junte os ingredientes secos.
Com a batedeira em funcionamento vá adicionando geite gradualmente a mistura de leite quente e leva ao lume para engrossar mas sem deixar ferver.

Retire do lume e junte o chocolate picado, a manteiga e baunilha, deixando repousar um pouco e bata de novo com uma vara de arames, até obter uma mistura homogénea.
Deite o pudim em tacinhas e se quiser evitar a formação da camada superficial mais dura e seca, coloque película aderente.
Refrigere por 4 horas no mínimo antes de servir.

Decore com pepitas de chocolate.

Bimby / Thermomix
Coloque o chocolate no copo e pique-o com uns golpes de turbo e reserve.

Coloque no copo 2 chávenas de leite, o açúcar, o cacau, o amido de milho e o sal e programe 8 minutos, 90º, velocidade 3.
Entretanto numa tigela bata o ovo com as gemas e adicione o leite restante.
Seleccione 2 minutos e meio, 80º, velocidade 3 e verta a mistura dos ovos pelo copinho da tampa, com a máquina em funcionamento.
Adicione o chocolate picado, a manteiga e a baunilha no copo e espere 1 minuto.
Ao fim desse tempo, programe 1 minuto, 80º, velocidade 3.
Distribua o pudim por tacinhas e se quiser evitar a formação da camada superficial mais dura e seca, coloque película aderente.
Refrigere por 4 horas no mínimo antes de servir.

Decore com pepitas de chocolate.

Notas:

Foi a terceira ou quarta vez que fiz esta receita e por razão desconhecida nunca a tinha fotografado.

Se não tiver essência de baunilha pode omiti-la, confesso que já fiz com e sem baunilha e não achei que se notasse grande diferença.

Este pudim tem a consistência de um leite-creme e o sabor forte de uma boa mousse de chocolate, por isso é só para amantes de chocolate.

 

A receita original é do livro "Baking: From My Home to Yours" da Dorie Greenspan, mas eu segui a tradução da Helena do Sabores de Canela que também já foi reproduzida pela Margarida do Figo Lampo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:29

Almoço de Domingo à Moda Antiga

por Moira, em 21.06.11

Foi ao ler este post no Pratos e Travessas que me veio à memória uma recordação longínqua dos almoços de Domingo em casa dos meus pais, durante anos andámos por terras longínquas e a família éramos nós os quatro e o almoço de Domingo era quase sempre qualquer coisa assada no forno, sendo o frango caseiro, na maioria das vezes o rei da mesa.

Quando não havia tempo para marinadas, o frango era simplesmente assado envolto numa grande camada de sal, uma receita que esteve muito na moda àquela época e que fazia as nossas delícias, outras vezes era temperado a rigor tendo como base um tempero à base de limão, alho, sal, colorau e azeite. Lembro-me de ver a minha mãe a pôr tudo no almofariz e depois deixava-nos pisar o alho até obter uma pasta com que barrava o animal.

Com o passar dos anos a ementa de domingo foi mudando, consoante as modas ou a vontade da cozinheira, no entanto ao ler o post da Mónica eu não tive dúvidas que teria que fazer frango assado para matar as saudades do frango assado da minha mãe.

Apesar do tempo que passou, o frango assado continua a saber-me melhor quando temperado de forma simples, não tem sabedoria nenhuma, creio que cada uma de nós tem a sua receita, esta é a minha, qual é a vossa?

Frango Assado

Ingredientes:

  • 1 frango
  • 3 dentes de alho
  • 1 raminho de coentros
  • 1 raminho de salsa
  • 2 folhas de louro
  • 2 colheres de sopa de azeite aromatizado picante da Casa do Sal da Figueira da Foz
  • 1 cerveja mini
  • sumo de meio limão
  • Cenouras aos palitos
  • Batatas às rodelas
  • sal q.b.

Preparação:

Triturar o alho, com o sal, o azeite e o sumo de limão e barrar o frango por dentro e por fora com essa pasta e reservar enquanto arranja as cenouras e as batatas.

Num tabuleiro colocar os coentros e a salsa picados, as folhas de louro partidas, o frango e as cenouras regar com meia cerveja e levar ao forno quente a 200 º por meia hora, de quando em vez regar o frango com o molho, ao fim de meia hora, virar o frango, acrescentar as batatas às rodelas e regar com a restante cerveja, levar de novo ao forno mais meia-hora.

Virar de novo o frango que nesta altura já deve estar assado e deixar corar mais um pouco para a pele ficar estaladiça.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:03

No Cesto do Capuchinho Vermelho

por Moira, em 18.06.11

O que leva o Capuchinho Vermelho na cesta para o lanche da avozinha?

Este é o desafio que a Isabel nos propõe para celebrar o 4º aniversário do seu Blog.

Parece que a opinião difere de umas narrações para as outras, numas ela leva um bolo e uma garrafa de vinho, noutras ela leva bolo, roscas e um pote de geleia, e noutras ainda ela leva bolinhos e um pote de mel.

A decisão é difícil, qualquer uma das sugestões deixaria uma avó contente.

Resolvi puxar pela memória até chegar à história da minha infância, aquela que ouvia vezes sem conta, quando era pequena, num disco de vinil todo vermelhão, numa versão brasileira que tinha uma música sinistra sempre que o lobo estava por perto, na minha história o Capuchinho Vermelho levava doces para a vovó.

Para contrariar a tendência de que as avós só comem doces, resolvi fazer um cake salgado de salmão fumado com milho, cogumelos e aneto, que acompanhou um vinho fresquinho e fica tão bem na cesta do capuchinho. Eu acho que a vovó gostou e vocês?

Pela estrada fora, eu vou bem sozinha eu não fui sozinha, levar este "cake" para a vóvózinha, ela mora longe, o caminho é deserto e o lobo mau passeia aqui  tão perto... lalala... lalala...

Cake de Salmão Fumado com Aneto

Ingredientes:

  • 200 g de salmão fumado picado grosseiramente
  • 150 g de milho cozido
  • 150 g de cogumelos laminados (usei de lata)
  • 1 colher de chá de aneto picado (também conhecido por endro)
  • 4 ovos
  • 350 g de farinha de trigo
  • 150 g de farinha de milho
  • 350 ml de leite
  • 2 colheres de chá de fermento em pó (o dos bolos)
  • margarina para untar as formas e farinha para polvilhar (eu uso o spray para untar da Espiga, não sendo necessária a farinha)

Preparação:

Bimby / Thermomix

Colocar no copo os ovos, o azeite e o leite e programar, 2 m, 37º, velocidade 2, adicionar as farinhas e o fermento e programar, 1 m, velocidade espiga. Juntar o salmão picado, o aneto, os cogumelos e o milho e programar 15 segundos, colher inversa.

Colocar em formas untadas (usei o spray da Espiga) e levar ao forno quente durante cerca de 15 a 20 minutos, ou até estar dourado e espetando um palito, o mesmo sair seco. Desenformar e deixar arrefecer sobre uma grelha.

Tradicional

Bater os ovos ligeiramente, adicionar o azeite e o leite e juntar as farinhas com o fermento, misturar até obter uma massa homogénea.

Adicionar o salmão picado, o aneto, os cogumelos e o milho e misturar com uma colher.

Colocar a massa em formas untadas e enfarinhadas e levar ao forno quente durante cerca de 15 a 20 minutos.

 

Receita inspirada na massa da bola rápida do livro de Receitas Essenciais da Bimby, depois de ter visto esta receita no Caos na Cozinha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:32

A Sardinha é Rainha

por Moira, em 12.06.11

Estamos na época dos Santos Populares e Lisboa tem como santo padroeiro o Santo António, personagem história e religiosa que hoje em dia se funde com tradições de sardinha assada e bailarico pelos bairros mais típicos da capital. Sendo a sardinha a rainha dos Santos Populares e de há uns anos para cá, o símbolo das Festas de Lisboa, não podiam faltar sardinhas aqui pelo Tertúlia.

Esta foi gentilmente cedida pelo Ricardo para ilustrar este post, ele é um excelente desenhador e ilustrador português cujo trabalho admiro, se não conhecem, não deixem de passar pelo blog Wishes & Heroes para apreciar o seu trabalho.

Rica em Ómega 3, a sardinha é também uma excelente fonte de vitaminas, E, B12, C e D e ainda ácido fólico, por tudo isto é um alimento óptimo, não se façam de esquisitos e se não gostam delas assadas, porque não comê-las fritas, é uma vez sem exemplo e sabem tão bem.

Sardinhas Panadas

Ingredientes:

  • 8 filetes de sardinha
  • 3 dentes de alho
  • sal q.b.
  • sumo de um limão
  • 3 colheres de sopa de farinha
  • 1 ovo
  • 3 colheres de sopa de pão ralado
  • Óleo para fritar

Preparação:

Temperar os filetes com uma pitada de sal, o alho picado e o sumo de limão, reservar por uma ou duas horas.

Escorrer as sardinhas e passá-las por farinha, depois por ovo e por fim por pão ralado.

Fritar em óleo quente, escorrer sobre papel absorvente e servir com uma salada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:03


WOOK - www.wook.pt

Pág. 1/2



Fotos no Flickr




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Tradutor



Também estamos aqui

Facebook

Tertúlia de Sabores da Moira

Divulga também a tua página


Instagram

Instagram


Pinterest

Pinterest


Networked Blogs


Eventos na Blogosfera

World Bread Day

World Bread Day, October 16, 2017 World Bread Day 2016 (October 16) World Bread Day 2015 (October 16)


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D