Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Pequenas Delícias

por Moira, em 29.06.11

Esta é uma daquelas entradas que não custa nada a fazer e é uma delícia.

Falaram-me dela, quando fiz o requeijão assado com mel e amêndoas e desde essa altura já o fiz vezes sem conta, a ideia original creio que é de uma Blue Cooking e está no Fipas Cook, que infelizmente está parado há exactamente um ano.

Deixo-vos a minha versão.

Requeijão Assado com Azeite e Ervas

  • 1 requeijão
  • 1 colher de sobremesa cheia de Ervas de Provença
  • 1 fio de azeite
  • sal e pimenta q.b.

Preparação:

Colocar um pouco de azeite num recipiente que possa ir ao forno, por o requeijão por cima e polvilhá-lo com as ervas, regar com mais um pouquinho de azeite e levar ao forno quente a 180º até estar dourado.

Sirva quente com pão fatiado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:24

Uma Porção do Paraíso

por Moira, em 26.06.11

Uns partem porque vão de férias, outros partem na concretização de sonhos antigos, por isso a escolha de hoje é tão intensa quanto uma despedida e forte como a saudade.

Pudim Cremoso de chocolate

Ingredientes para 6 taças pequenas

  • 2 e ¼ chávenas de leite gordo
  • 6 colheres de sopa de açúcar
  • 2 colheres de sopa de cacau em pó
  • 2 colheres de sopa de amido de milho (Maizena)
  • 1 pitada de sal
  • 1 ovo grande
  • 2 gemas
  • 125 g chocolate negro em tablete
  • 2 colheres de sopa de manteiga sem sal
  • 1 colher de chá de extracto de baunilha

Preparação:

Tradicional
Pique o chocolate e reserve.

Leve um tacho ao lume com metade do açúcar e 2 chávenas de leite.
Entretanto misture o amido de milho, o cacau e o sal e reserve.
Numa taça, misture o restante açúcar, o ovo e as gemas e bata com a batedeira até obter uma mistura cremosa, adicione o leite restante (1/4 chávena) e junte os ingredientes secos.
Com a batedeira em funcionamento vá adicionando geite gradualmente a mistura de leite quente e leva ao lume para engrossar mas sem deixar ferver.

Retire do lume e junte o chocolate picado, a manteiga e baunilha, deixando repousar um pouco e bata de novo com uma vara de arames, até obter uma mistura homogénea.
Deite o pudim em tacinhas e se quiser evitar a formação da camada superficial mais dura e seca, coloque película aderente.
Refrigere por 4 horas no mínimo antes de servir.

Decore com pepitas de chocolate.

Bimby / Thermomix
Coloque o chocolate no copo e pique-o com uns golpes de turbo e reserve.

Coloque no copo 2 chávenas de leite, o açúcar, o cacau, o amido de milho e o sal e programe 8 minutos, 90º, velocidade 3.
Entretanto numa tigela bata o ovo com as gemas e adicione o leite restante.
Seleccione 2 minutos e meio, 80º, velocidade 3 e verta a mistura dos ovos pelo copinho da tampa, com a máquina em funcionamento.
Adicione o chocolate picado, a manteiga e a baunilha no copo e espere 1 minuto.
Ao fim desse tempo, programe 1 minuto, 80º, velocidade 3.
Distribua o pudim por tacinhas e se quiser evitar a formação da camada superficial mais dura e seca, coloque película aderente.
Refrigere por 4 horas no mínimo antes de servir.

Decore com pepitas de chocolate.

Notas:

Foi a terceira ou quarta vez que fiz esta receita e por razão desconhecida nunca a tinha fotografado.

Se não tiver essência de baunilha pode omiti-la, confesso que já fiz com e sem baunilha e não achei que se notasse grande diferença.

Este pudim tem a consistência de um leite-creme e o sabor forte de uma boa mousse de chocolate, por isso é só para amantes de chocolate.

 

A receita original é do livro "Baking: From My Home to Yours" da Dorie Greenspan, mas eu segui a tradução da Helena do Sabores de Canela que também já foi reproduzida pela Margarida do Figo Lampo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:29

Almoço de Domingo à Moda Antiga

por Moira, em 21.06.11

Foi ao ler este post no Pratos e Travessas que me veio à memória uma recordação longínqua dos almoços de Domingo em casa dos meus pais, durante anos andámos por terras longínquas e a família éramos nós os quatro e o almoço de Domingo era quase sempre qualquer coisa assada no forno, sendo o frango caseiro, na maioria das vezes o rei da mesa.

Quando não havia tempo para marinadas, o frango era simplesmente assado envolto numa grande camada de sal, uma receita que esteve muito na moda àquela época e que fazia as nossas delícias, outras vezes era temperado a rigor tendo como base um tempero à base de limão, alho, sal, colorau e azeite. Lembro-me de ver a minha mãe a pôr tudo no almofariz e depois deixava-nos pisar o alho até obter uma pasta com que barrava o animal.

Com o passar dos anos a ementa de domingo foi mudando, consoante as modas ou a vontade da cozinheira, no entanto ao ler o post da Mónica eu não tive dúvidas que teria que fazer frango assado para matar as saudades do frango assado da minha mãe.

Apesar do tempo que passou, o frango assado continua a saber-me melhor quando temperado de forma simples, não tem sabedoria nenhuma, creio que cada uma de nós tem a sua receita, esta é a minha, qual é a vossa?

Frango Assado

Ingredientes:

  • 1 frango
  • 3 dentes de alho
  • 1 raminho de coentros
  • 1 raminho de salsa
  • 2 folhas de louro
  • 2 colheres de sopa de azeite aromatizado picante da Casa do Sal da Figueira da Foz
  • 1 cerveja mini
  • sumo de meio limão
  • Cenouras aos palitos
  • Batatas às rodelas
  • sal q.b.

Preparação:

Triturar o alho, com o sal, o azeite e o sumo de limão e barrar o frango por dentro e por fora com essa pasta e reservar enquanto arranja as cenouras e as batatas.

Num tabuleiro colocar os coentros e a salsa picados, as folhas de louro partidas, o frango e as cenouras regar com meia cerveja e levar ao forno quente a 200 º por meia hora, de quando em vez regar o frango com o molho, ao fim de meia hora, virar o frango, acrescentar as batatas às rodelas e regar com a restante cerveja, levar de novo ao forno mais meia-hora.

Virar de novo o frango que nesta altura já deve estar assado e deixar corar mais um pouco para a pele ficar estaladiça.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:03

No Cesto do Capuchinho Vermelho

por Moira, em 18.06.11

O que leva o Capuchinho Vermelho na cesta para o lanche da avozinha?

Este é o desafio que a Isabel nos propõe para celebrar o 4º aniversário do seu Blog.

Parece que a opinião difere de umas narrações para as outras, numas ela leva um bolo e uma garrafa de vinho, noutras ela leva bolo, roscas e um pote de geleia, e noutras ainda ela leva bolinhos e um pote de mel.

A decisão é difícil, qualquer uma das sugestões deixaria uma avó contente.

Resolvi puxar pela memória até chegar à história da minha infância, aquela que ouvia vezes sem conta, quando era pequena, num disco de vinil todo vermelhão, numa versão brasileira que tinha uma música sinistra sempre que o lobo estava por perto, na minha história o Capuchinho Vermelho levava doces para a vovó.

Para contrariar a tendência de que as avós só comem doces, resolvi fazer um cake salgado de salmão fumado com milho, cogumelos e aneto, que acompanhou um vinho fresquinho e fica tão bem na cesta do capuchinho. Eu acho que a vovó gostou e vocês?

Pela estrada fora, eu vou bem sozinha eu não fui sozinha, levar este "cake" para a vóvózinha, ela mora longe, o caminho é deserto e o lobo mau passeia aqui  tão perto... lalala... lalala...

Cake de Salmão Fumado com Aneto

Ingredientes:

  • 200 g de salmão fumado picado grosseiramente
  • 150 g de milho cozido
  • 150 g de cogumelos laminados (usei de lata)
  • 1 colher de chá de aneto picado (também conhecido por endro)
  • 4 ovos
  • 350 g de farinha de trigo
  • 150 g de farinha de milho
  • 350 ml de leite
  • 2 colheres de chá de fermento em pó (o dos bolos)
  • margarina para untar as formas e farinha para polvilhar (eu uso o spray para untar da Espiga, não sendo necessária a farinha)

Preparação:

Bimby / Thermomix

Colocar no copo os ovos, o azeite e o leite e programar, 2 m, 37º, velocidade 2, adicionar as farinhas e o fermento e programar, 1 m, velocidade espiga. Juntar o salmão picado, o aneto, os cogumelos e o milho e programar 15 segundos, colher inversa.

Colocar em formas untadas (usei o spray da Espiga) e levar ao forno quente durante cerca de 15 a 20 minutos, ou até estar dourado e espetando um palito, o mesmo sair seco. Desenformar e deixar arrefecer sobre uma grelha.

Tradicional

Bater os ovos ligeiramente, adicionar o azeite e o leite e juntar as farinhas com o fermento, misturar até obter uma massa homogénea.

Adicionar o salmão picado, o aneto, os cogumelos e o milho e misturar com uma colher.

Colocar a massa em formas untadas e enfarinhadas e levar ao forno quente durante cerca de 15 a 20 minutos.

 

Receita inspirada na massa da bola rápida do livro de Receitas Essenciais da Bimby, depois de ter visto esta receita no Caos na Cozinha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:32

A Sardinha é Rainha

por Moira, em 12.06.11

Estamos na época dos Santos Populares e Lisboa tem como santo padroeiro o Santo António, personagem história e religiosa que hoje em dia se funde com tradições de sardinha assada e bailarico pelos bairros mais típicos da capital. Sendo a sardinha a rainha dos Santos Populares e de há uns anos para cá, o símbolo das Festas de Lisboa, não podiam faltar sardinhas aqui pelo Tertúlia.

Esta foi gentilmente cedida pelo Ricardo para ilustrar este post, ele é um excelente desenhador e ilustrador português cujo trabalho admiro, se não conhecem, não deixem de passar pelo blog Wishes & Heroes para apreciar o seu trabalho.

Rica em Ómega 3, a sardinha é também uma excelente fonte de vitaminas, E, B12, C e D e ainda ácido fólico, por tudo isto é um alimento óptimo, não se façam de esquisitos e se não gostam delas assadas, porque não comê-las fritas, é uma vez sem exemplo e sabem tão bem.

Sardinhas Panadas

Ingredientes:

  • 8 filetes de sardinha
  • 3 dentes de alho
  • sal q.b.
  • sumo de um limão
  • 3 colheres de sopa de farinha
  • 1 ovo
  • 3 colheres de sopa de pão ralado
  • Óleo para fritar

Preparação:

Temperar os filetes com uma pitada de sal, o alho picado e o sumo de limão, reservar por uma ou duas horas.

Escorrer as sardinhas e passá-las por farinha, depois por ovo e por fim por pão ralado.

Fritar em óleo quente, escorrer sobre papel absorvente e servir com uma salada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:03


WOOK - www.wook.pt

Pág. 1/2



Fotos no Flickr




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Tradutor



Também estamos aqui

Facebook

Tertúlia de Sabores da Moira

Divulga também a tua página


Instagram

Instagram


Pinterest

Pinterest


Networked Blogs


Eventos na Blogosfera

World Bread Day

World Bread Day 2016 (October 16) World Bread Day 2015 (October 16)


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D