Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A Primavera está aí...

por Moira, em 31.03.11

Há flores por todo o lado, as temperaturas amenas regressaram, a pouco e pouco arrumam-se as botas, guardam-se os casacos e até a hora mudou para alegrar o meu final de dia. Apesar da mudança da hora me deixar abananada durante uns dias sabe-me tão bem sair do trabalho com o sol ainda a brilhar. São os primeiros sinais da primavera e eu gosto deles, principalmente dos morangos que começam a aparecer e aos quais é impossível resistir.

Por isso os morangos fazem parte da sugestão que vos trago hoje.

Esta sobremesa surge da necessidade de aproveitar um resto de pão de ló, e um resto de leite creme que ficou cá em casa depois de ter feito  este bolo para levar para um jantar muito especial.

 

Sobremesa de Morangos e Pão de Ló

Ingredientes:

  • 1 fatia de pão de ló
  • 1 chávena de leite creme
  • 1 chávena de morangos cortados aos pedaços
  • 1 cálice de licor

Preparação:

Colocar no fundo do copo umas colheradas de leite creme, por cima meia fatia de pão de ló esfarelado.

Borrifa-se o pão de ló com o licor e por cima põem-se os morangos previamente lavador cortados salpicados de açúcar e umas gotas de sumo de limão. Serve-se ligeiramente fresco. As porções indicadas são para duas taças.

 

Notas: Pode usar Pão de Ló de compra, mas é tão fácil de fazer que não sei se compensa.

A receita do bolo e do creme são exactamente as mesmas que usei para o Falso Fofo.

Os morangos podem ser substituidos por outra fruta a gosto, desde que seja sumarenta, pode inclusivé utilizar pêssegos em calda.

O licor usado para molhar o bolo pode ser substituido por calda de fruta para uma versão não alcoólica.

 

Para quem não sabe os morangos devem ser lavados andes de retirar o pé, devem ser passados por várias águas, e deixados de molho por cerca de 5 minutos dentro de água com um pouco de vinagre, depois devem ser passados por água corrente e estão prontos a comer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:05

Das Minhas Memórias

por Moira, em 22.03.11

Toda a nossa vida é um somatório de memórias, mas aquelas que permanecem inabaláveis no nosso coração toda uma vida, são quase sempre as memórias de infância.

Parte da minha infância foi passada com a minha avó paterna que era uma óptima contadora de histórias, passei anos a ouvi-las até quase sabê-las de cor mas nunca as escrevi e a minha memória traiu-me, tendo assim perdido grande parte desse espólio maravilhoso que eram as histórias da minha avó.

A minha avó foi costureira e bordadeira durante muitos anos, aprendeu a bordar e a costurar muito nova numa Singer a pedal que ainda hoje sobrevive e trabalha em casa da minha mãe.

Nos seus tempos livres a minha avó dava explicações e preparava miúdos para o exame da 4ª classe (que era obrigatório e levado muito à séria), havia uma sala com várias mesas e cadeiras, um mapa de Portugal na parede, um globo, um crucifixo e um quadro com  uma fotografia do Marechal Carmona, tal como nas escolas públicas havia um intervalo para lanchar que aquilo de fazer contas e redacções dava uma fome tremenda.

Ainda não havia "Bolicaos", nem "Kinderbueno", não se comia pão com "Nutela", e lá por casa nem sequer se comprava o famoso "Tulicreme", os lanches consistiam na maioria das vezes por pão com marmelada, caseira, bem entendido que acompanhava um copo de leite gordo que nos deixava com bigodes e se comprava habitualmente numa vacaria que havia ao cimo de um monte próximo, quanto ao pão era comprado na padaria do bairro e cozido em fornos a lenha.

Os meus lanches variavam consoante a vontade da avó, o que havia disponível e o meu apetite, que na altura era muito pouco, eu era uma miúda de aparência escanzelada e magricela que gostava muito pouco de comida, fosse ela qual fosse.

Nessa altura, apesar de não ser amiga de comida, havia duas coisas que eu adorava, gemadas e pão com manteiga e açúcar, e a minha avó dava-me pois sabia que aqueles seriam provavelmente os alimentos que me fariam mais proveito durante o dia.

O tempo passou, os meus pais emigraram para África, não só para fugir ao antigo regime, que por lá não se fazia sentir da mesma maneira, como para tentarem uma vida melhor.

Eu tinha 11 anos quando regressamos a Portugal nos finais de 1974, com o triste rótulo de retornados e tendo que recomeçar tudo do zero.

Nessa altura a minha avó vivia nos arredores de Lisboa e a sua casa acabou por ser o nosso porto de abrigo durante algum tempo até os meus pais arranjarem emprego.

Ela criava coelhos, patos e galinhas, cultivava couves, alfaces, favas, ervilhas e outras coisas mais, num pequeno quintal que havia por trás da casa, garantindo assim uma alimentação minimamente saudável e bastante menos dispendiosa.

De vez em quando, o meu avô que andava sempre por fora trazia caça que os amigos lhe davam, e era uma festa. Os fins de semana eram pacatos e quase sempre passados em família.

A minha avó paterna não era uma cozinheira exímia, mas cozinhava de tudo um pouco de forma trivial, lembro-me especialmente de duas receitas que ela fazia quando os primos de Benfica vinham almoçar, canja de coelho, uma coisa à qual nunca me consegui habituar e coelho estufado com vinho que era servido sobre fatias de pão frito.

Como noutro dia ofereceram duas peças de caça ao António, peguei num coelho bravo e resolvi com ele capturar as minhas memórias e com a receita da minha avó paterna participar no passatempo "Conta-me a tua receita", organizado pelo Cinco Quartos de Laranja com o patrocinio da RTP a propósito do lançamento do Livro Conta-me como foi - As receitas da Família Lopes.

Foi assim que tirei do armário os naperons de renda tão frequentes na época e a velhinha travessa de esmalte da minha avó, gasta pelo tempo e pelas memórias de comidas passadas para apresentar a comida de hoje.

Coelho Bravo com Vinho

Ingredientes:

  • 1 coelho bravo
  • 3 dentes de alho
  • 1 raminho de salsa
  • 1 folha de louro
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • 1 colher de sopa de banha
  • 1 colher de chá de colorau
  • 2 copos de vinho branco (usei vinho tinto caseiro de cor idêntica a um rosé)
  • sal e pimenta q.b.

Preparação:

De véspera temperar o coelho com os dentes de alho, o louro, o colorau e um copo de vinho branco.

Num tacho colocar o azeite e a banha, quando a banha derreter colocar os pedaços de coelho reservando a marinada, temperar com sal e pimenta, pôr o raminho de salsa inteiro no  tacho juntamente com o restante vinho branco, tapar e deixar cozinhar lentamente, se necessário acrescentar um pouco de água. O tempo de cozedura do coelho bravo não é certo depende da carne, há umas mais tenras e outras mais rijas, a única forma de ver é ir espetando um garfo. Quando o coelho estiver quase cozido acrescentar o molho da marinada coado e deixar levantar fervura mais 10 minutos a 15 minutos. Se gostar pode engrossar o molho com um pouco de farinha, mas eu não o fiz. Servir sobre fatias de pão frito ou torrado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:49

Sabores do Oriente

por Moira, em 16.03.11

Eu a Pipoka e a Gasparzinha juntamo-nos para fazer um bolo, foi um encontro assim tipo, miúdas de liceu que não têm nada para fazer num domingo à tarde e não lhes apetece estudar... Foi isso! Juntamo-nos para fazer um bolo, e depois comê-lo, ainda morninho e cheiroso com um chá quentinho e muita conversa à mistura.

Já sei o que estão a pensar, e não sei o que vos diga, mas é assim mesmo, há mulheres que quando se juntam, falam, falam, falam... mas não é só o que sabem fazer. Nós para além de falarmos pelos cotovelos, também sabemos fazer comidinhas boas, é por isso que temos desculpa.

E para levar para o nosso lanche resolvi fazer de novo uns Financiers, mas desta vez com um cheirinho a especiarias, é que Dona Pipoka é a mulher das especiarias, por isso os bolinhos foram muito bem aceites.

Já deu para perceber que eu ando numa de colocar especiarias em tudo, mas caril nos pobres bolinhos? E porque não?

Pela minha parte, vou repetir a dose. Experimentem! Sem medos, garanto que não se arrependem.

Financiers com Caril

Ingredientes

  • 120 g de margarina
  • 120 g de claras
  • 120 g de açúcar
  • 50 g de farinha de trigo
  • 70 g de farinha de amêndoa (amêndoa pelada finamente triturada)
  • 1/2 colher de café de caril (usei de Madras)

Preparação:
Misture todos os ingredientes até obter uma massa lisa.
Coloque em forminhas untadas e enfarinhadas, ou use o spray da espiga e já não é necessário enfarinhar.
Vai ao forno aquecido a 200º durante cerca de 10 minutos ou até quando espetando um palito o mesmo sai seco.

Notas:
Esta quantidade rendeu-me 6 bolinhos, mas as minhas formas não são tão pequeninas como eu queria.
Para esta receita não se batem as claras em castelo e também não leva fermento nenhum.

Estes financiers podem ser comidos simples ou acompanhar queijos azuis ou de cabra.

 

Inspirada nesta receita da Elle Cuisine

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:37

A todas as Avós deste País

por Moira, em 13.03.11

Todas as coisas têm uma história, e a história desta receita, como todas as histórias com final feliz também tem uma avó, essa avó pode fazer parte da história ou pode simplesmente narrá-la.

Eu tive uma avó Conceição e uma avó Palmira mas não me recordo de ter comido bolos feitos por elas, a primeira não era lá grande cozinheira e de que me lembre só fazia bem tortilhas e peixinhos da horta, a outra dizem que era uma cozinheira fantástica, mas dela só me lembro das sopas, provavelmente por serem tão boas sobrepuseram-se a todas as minhas outras memórias.

Mas a avó desta história chama-se Gertrudes e não é minha avó, mas hoje pode representar todas as avós deste país, é nelas que reside a memória gustativa de cada um de nós e exceptuando os que por infelicidade perderam as avós muito cedo, todos temos alguma coisa, doce ou salgada que associamos às nossas avós.

A história de hoje começou há uns dias atrás ao ver esta foto do Bolo da Avó Gertrudes, naquele momento, tive a certeza que havia de o fazer e para não ficar no esquecimento de um arquivo, passei rapidamente do pensamento à prática.

Quem provou gostou e eu fiquei feliz, a Ynnêz ficou feliz  por eu gostar o bolo da avó dela e parece que a avó Gertrudes também ficou feliz por saber que alguém "do mundo dos computadores" tinha gostado do bolo dela.

Como diria a minha avó: um grande Bem-Haja à Avó Gertrudes por com um simples bolo contribuir para a felicidade de tanta gente.

E se um bolo pode despertar tão grande sentimento, então só temos que o partilhar, já agora espero que também vos faça felizes.

Pão de Ló com Leite Creme e Amêndoas Torradas

Ingredientes:

Para o bolo:

  • 4 ovos
  • 165 g de açúcar
  • 65 g de farinha
  • 50 g de amido de milho
  • 1/2 colher de chá de fermento em pó
  • 1 colher de sopa de água quente (Só para a preparação tradicional)

Para o creme:

  • 3 gemas de ovo
  • 125 ml de leite
  • 125 ml de natas
  • 50 g de açúcar
  • 1 colher de chá de açúcar baunilhado
  • 15 g de farinha

Para decorar:

1/2 chávena de amêndoas torradas às lascas

100 g de fios de ovos

 

Preparação do Bolo:

Tradicional

Separar as gemas das claras, bater as gemas com os açúcares até obter uma mistura esbranquiçada, adicionar a água quente, depois as farinhas e o fermento, por fim envolver as claras que foram previamente batidas em castelo.

Vai ao forno quente a 180º, em forma untada e enfarinhada durante cerca de 20 minutos ou até espetar o palito e o mesmo sair seco.

 

Bimby / Thermomix

Coloque a borboleta no copo, os ovos e o açúcar e programe, 5 min, 37º, velocidade 3, volte a programar 3 min. velocidade 3.

Seleccione 4o seg, velocidade 2 e adicione pelo bocal a farinha misturada com o fermento.

Vai ao forno quente a 180º, em forma untada e enfarinhada durante cerca de 20 minutos ou até espetar o palito e o mesmo sair seco.

 

Preparação do creme:

Tradicional

Quando o bolo estiver cozido, comece então a fazer o creme.

Bater as gemas com o açúcar até dobrar o volume, adicionar-lhe a farinha e um pouquinho de leite e reservar. Levar o restante leite com as natas ao lume, quando estiver quente juntar o preparado das gemas, baixar o lume e mexer com uma colher de pau até engrossar, retirando de imediato do lume, continuando a mexer. Se não for utilizar logo, tapar com película de cozinha colocada mesmo por cima do creme para não criar "nata" por cima e deixar arrefecer.

 

Bimby / Thermomix

No copo colocar o leite, as natas, as gemas de ovo, os açúcares e a farinha e programar 15 segundos, velocidade 3 e meio.

De seguida programar 12 minutos, 90º, velocidade 2.

 

Montagem

Picar todo o bolo com um palito, vazar por cima o creme ainda quente e polvilhar com amêndoa torrada às lascas.

 

Notas:

Usei uma forma de 27 cm de diâmetro.

Se fizer o bolo na bimby, ligue o forno uns 15 a 20 minutos antes de começar a fazer o bolo, para dar tempo para aquecer.

Os fios de ovos costumo comprar embalagens de 100 g nos supermercados P. Doce.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:28

A de Alfarroba e B de Bom

por Moira, em 10.03.11

Este ano o aniversário do António foi festejado apenas em família, por isso limitei-me a fazer dois doces, o Bolo de Aniversário e uma Tarte de Alfarroba.

Há quem diga que a Alfarroba se assemelha ao chocolate, não concordo, a semelhança é apenas e simplesmente na cor, pois no sabor a alfarroba é bastante diferente, pelo menos para mim. É engraçado perceber como as pessoas têm a tendência de torcer o nariz a coisas novas, foi o que aconteceu cá em casa, eu disse que era tarte de alfarroba e apenas duas pessoas gostaram, quando levei para o escritório não disse praticamente a ninguém que era alfarroba e todos gostaram.

O primeiro contacto com a tarte é visual e as pessoas gostam, ao provar continuam a gostar, mas se antes do primeiro contacto dissermos que é tarte de alfarroba os narizes torcem-se e a vontade de experimentar quase desaparece.

A minha sugestão é que experimentem e depois logo me dizem, o recheio fica húmido e a tarte aguenta-se boa durante mais de dois dias.

Tarte de Amêndoa e Alfarroba

Ingredientes:

Para a Massa:

  • 150 ml de água (no original 14 colheres de sopa)
  • 50 g de banha (no original 3 colheres de sopa) também pode substituir por margarina
  • Casca de meio limão
  • 1 colher de chá de canela
  • 130 g de farinha

Para o recheio:

  • 140 g de açúcar
  • 100 g de amêndoa picada com pele (no original sem pele)
  • 6 ovos médios
  • 75 g de farinha de alfarroba
  • 1 cálice pequeno de licor de alfarroba (no original 1 dl de aguardente de medronho)

Preparação:

Massa:

Colocar num tacho a água, a banha e a casca de limão, quando ferver, retirar a casca de limão e juntar de uma só vez a farinha misturada com a canela e mexer rapidamente até formar uma bola. (faz-se exactamente como a massa de fazer os rissóis). Deixar arrefecer para poder estender e forrar uma forma de tarte. Não é necessário untar a forma pois a massa tem bastante gordura.

Recheio:

Ligar o forno nos 180º.

Bater as claras em castelo adicionando quase no final umas duas colheres de açúcar retiradas dos 140 g necessários e reservar.

Bater as gemas com o restante açúcar até obter uma mistura fofa e esbranquiçada, adicionar a amêndoa moída, e farinha de alfarroba e o licor, por fim juntar as claras batidas em castelo.

Forrar a forma com a massa e colocar por cima o recheio, levar ao forno por cerca de 35 a 40 minutos. (No original mandava cozer por 50 minutos mas o meu forno ficaria queimada)

Para ver se está cozida, usar o método do palito, se sair seco está pronta.

 

Esta receita foi ligeiramente adaptada do livro Entre Coentros e Poejos e trás receitas agradáveis de sabores mais ao sul.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:26


WOOK - www.wook.pt

Pág. 1/2



Fotos no Flickr




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Tradutor



Também estamos aqui

Facebook

Tertúlia de Sabores da Moira

Divulga também a tua página


Instagram

Instagram


Pinterest

Pinterest


Networked Blogs


Eventos na Blogosfera

World Bread Day

World Bread Day 2016 (October 16) World Bread Day 2015 (October 16)


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D