Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Estórias e Histórias

por Moira, em 29.10.10

O Reino da Prússia fez anos, a Sofia pediu-nos estórias, e eu dou-lhe histórias.

A postagem estava quase pronta, a receita decidida, a história contada só faltava mesmo a fotografia, era uma história de memórias felizes, como para mim as memórias devem ser, nessas memórias havia pão e açúcar, mas de um dia para o outro mudei de ideias, mudei de receita e aqui estou para contar a história de um outro pão.

A história deste outro pão começa em casa da Carlota, num dia quente já no final do Verão, o motivo da reunião neste momento é o que menos interessa, o que importa é que passámos semanas a decidir o que cada uma faria para levar nesse dia, a Suzana levou um Pão de Cacau e Canela que foi servido ao lanche com mel e requeijão que eu gostei tanto que prometi fazê-lo, mas sabem que eu sou um bocadito cabeça no ar, e claro, nunca mais me lembrei.

Entretanto ontem a Zorra publicou a lista de pães do WBD e eu passei grande parte do meu tempo entretida a ver cada um deles, até que me deparei com um Pão de Chocolate, imediatamente recordei o sabor e a textura do Pão da Suzana e pensei, é hoje... Mas ao mesmo tempo assomou-se uma dúvida, qual dos dois fazer, a Suzana é minha amiga, o pão dela é muito bom, mas por outro lado eu tinha acabado de ficar encantada com o pão das fotos da Laura Adani.

Enquanto eu ainda pensava nisto, já ia pesando a farinha, procurei o cacau e descobri que não tinha, e daí para a frente fiquei por minha conta, um pedaço de uma receita, outro pedaço da outra e mais umas invenções de última hora e o resultado foi um Pão de Chocolate e Alfarroba com aromas de Canela.

Saiu do forno quase à meia-noite, o aroma era inebriante e convidativo a uma dentada, mas o cansaço venceu-me e só hoje o provei.

O dia amanheceu cinzento e chuvoso, muito chuvoso, mas não me impediu de tirar umas fotos matinais ao que foi o meu repasto, o pão estava tal e qual o imaginara na véspera, aromático e de miolo fofo, o requeijão era de Seia e por isso muito cremoso, e o mel foi substiuido por uma compota de laranja e tangerina que fiz há algum tempo e cuja receita por não ter sido anotada perdeu-se na minha memória, e que pena pois estava tão boa, quem sabe se a conseguirei repetir algum dia.

Sofia, não era esta a história que te queria contar, mas os aromas do pão e o uso da farinha de alfarroba fizeram deste pão um pão com história, por isso o dedico ao teu Reino da Prússia e às suas princesas. Longa Vida ao Reino!

Pão de Chocolate e Alfarroba com Aroma de Canela

Ingredientes:

  • 500 g de Farinha de trigo
  • 40 g de Chocolate em Pó para Culinária (ou Cacau)
  • 40 g de Farinha de Alfarroba
  • 40 g de Açúcar Mascavado
  • 40 g de natas (porque não tinha manteiga)
  • 300 ml de leite morno
  • 1 colher de chá cheia de canela
  • 1 colher de chá mal cheia de sal
  • 6 g de fermento seco para pão (usei meio pacote de fermipan)

Preparação:

Tradicional:

Numa tigela colocar a farinha, fazer um buraco no meio e colocar o fermento, adicionar um pouco de leite misturar só o suficiente para dissolver o fermento no leite com um pouco de farinha e esperar que levede formando uma massa com aspecto esponjoso, adicionar os restantes ingredientes e amassar até a massa formar uma bola que se solta das mãos e das paredes da taça. Untar uma taça com óleo, (usei o spray da Espiga) colocar lá a massa tapar com um pano e deixar levedar em local ameno, mais ou menos uma hora, até dobrar o volume (normalmente coloco dentro do micro-ondas pois fica ao abrigo de qualquer corrente de ar.

Dar forma ao pão ou colocar numa forma rectangular, deixar levedar mais 15 minutos e levar ao forno quente a 180º, entre 25 a 30 minutos.

Desenformar e colocar sobre uma rede para arrefecer.

 

Bimby / Thermomix

Colocar no copo o leite, o açúcar e as natas e programar 1:30 min., 37º, vel. 2.

Adicionar o fermento, os restantes ingredientes e apenas metade da farinha e programar 10 segundos,velocidade 6, adicionar a restante farinha e programar 2 minutos, vel. espiga.

Retirar a massa da máquina, fazer uma bola, colocar numa taça untada com óleo e deixar descansar em local ameno, mais ou menos uma hora, ou até dobrar o volume (normalmente coloco dentro do micro-ondas pois fica ao abrigo de qualquer corrente de ar.

Dar forma ao pão ou colocar numa forma rectangular untada, deixar levedar mais 15 minutos e levar ao forno quente a 180º, entre 25 a 30 minutos.

Desenformar e colocar sobre uma rede para arrefecer.

 

Notas: Tal como disse acima esta receita foi inspirada maioritáriamente na receita de Pão com Chocolate do Blog Io... così come sono... podendo por isso fazer parte do After Hours do WBD 2010.

 

World Bread Day 2010 - After Hours Party

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 16:53

A Abóbora é Rainha

por Moira, em 24.10.10

Descobri esta receita recentemente num Blog Russo da Chadeyka e foi amor à primeira vista, e como a língua, nestas coisas de blogs não é impeditivo de fazermos novas receitas pedi ajuda ao Santo Google que numa tradução mais ou menos manhosa me deu o essencial da receita que é basicamente a lista de ingredientes.

É que ás vezes não apetece nem carne, nem peixe e é esta foi uma agradável alternativa para o jantar de sábado,  pode servir para uma refeição leve e diferente ou simplesmente para uma entrada fica ao vosso critério.

E conforme a sugestão da Chadeyka, sirva com um copo de vinho, ela não diz, mas eu acrescento, tinto de preferência, nós bebemos um Douro, Vinha do Infantado de 2003 que estava esquecido na despensa e que se revelou uma combinação perfeita.

Tarteletes de Abóbora com Queijo Feta

Ingredientes:

Para a massa

  • 200 g de farinha
  • 100 g de margarina
  • 50 g de sementes de abóbora trituradas
  • 2 a 3 colheres de sopa de água fria

Para o Recheio

  • 1 pedaço de abóbora pequeno
  • 4 colheres de sopa de queijo feta esfarelado
  • orégãos q.b. (ou ervas de Provença)
  • flor de sal q.b.
  • 1 colher de sopa de sementes de abóbora

Preparação:

Tradicional

Triturar as sementes de abóbora num robot de cozinha ou numa picadora.

Misturar a margarina fria cortada em cubinhos com a farinha até obter uma massa areada, juntar 2 a 3 colheres de sopa de água gelada para ligar a massa.

Reservar a massa no frigorifico por 20 a 30 minutos.

Lavar e cortar a abóbora em fatias muito finas.

Estender a massa com o rolo da massa, pulverizar as formas de tartelete com spray para untar, colocar a massa nas formas e picar o fundo da massa com um garfo.

Colocar as fatias de abóbora por cima da massa de forma harmoniosa, temperar com flor de sal, colocar por cima o queijo esfarelado, polvilhar com orégãos e levar ao forno quente a 180º durante 10 minutos. Pôr as sementes de abóbora por cima e levar ao forno por mais 5 minutos.

 

Bimby / Thermomix

Triturar as sementes de abóbora com 2 ou três toques de turbo, adicionar a farinha, a margarina fria cortada aos cubinhos e 2 a 3 colheres de sopa de água, misturar 15 segundos, velocidade 5.

Reservar a massa no frigorifico por 20 a 30 minutos.

Lavar e cortar a abóbora em fatias muito finas.

Estender a massa com o rolo da massa, pulverizar as formas de tartelete com spray para untar, colocar a massa nas formas e picar o fundo da massa com um garfo.

Colocar as fatias de abóbora por cima da massa de forma harmoniosa, temperar com flor de sal, colocar por cima o queijo esfarelado, polvilhar com orégãos e levar ao forno quente a 180º durante 10 minutos. Pôr as sementes de abóbora por cima e levar ao forno por mais 5 minutos.

 

Notas: A receita original é feita num tabuleiro grande quadrado e posteriormente cortada aos quadrados. Usei sementes de abóbora porque não tinha de girassol e não usei gorgonzola porque o meu marido não aprecia, mas tem que ser um queijo forte para contrastar com a abóbora.

Nesta receita usei o spray para untar da Espiga, uma oferta das Fábricas Lusitana, que se tornou um enorme aliado na minha cozinha. As tarteletes foram desenformadas com muita facilidade, proeza que antes só conseguia forrando as formas com papel vegetal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:21

Nostalgia de Outono e Marmelos Assados

por Moira, em 22.10.10

Há coisas cuja origem se perde nos tempos, como as receitas que alguém fez um dia pela primeira vez e que foram passando de geração em geração,  acho que é o caso dos Marmelos Assados, a minha mãe sempre os fez com Vinho do Porto e Canela, no entanto eu nunca os fiz em minha casa, lembrei-me deles esta semana porque os vi no Sabores da Alma que reproduziu a receita do Cinco Quartos de Laranja e foi inspirada nessa receita que resolvi também eu fazê-los.

Digamos que a minha inspiração não anda em alta, ando a ouvir músicas que já fazem parte do álbum de velharias, tenho demasiadas coisas a ocupar-me a cabeça e nem todas são boas, por isso e esperando que cheguem melhores dias, deixo-vos uma versão alternativa de marmelos assados em que não usei Vinho do Porto porque só tinha um Vintage para abrir e achei que talvez fosse demasiado bom para uns simples marmelos, no entanto tem andado na garrafeira um Licor de Alfarroba, que na minha opinião é demasiado doce para beber simples, mas que para a receita assentou na perfeição.

Marmelos Assados com Licor de Alfarroba - para 2 a 3 pessoas

Ingredientes:

  • 2 marmelos
  • 2 colheres de sopa de açúcar de cana integral
  • 1 colher de chá de canela
  • 2 cálices de Licor de Alfarroba
  • 1 colher de sopa de amêndoas em lascas

Preparação:

Descasque os marmelos e corte-os em fatias, mantendo-os dentro de uma taça com água e sumo de limão para não oxidarem enquanto descasca o outro.

Numa taça que possa ir ao forno, coloque as fatias de marmelo, polvilhe com o açúcar e a canela e regue com o licor de alfarroba  e leve ao forno quente cerca de 30 minutos, polvilhe com a amêndoa e deixe no forno mais 5 ou 10 minutos para tostar.

 

Notas: Quem não tiver licor de Alfarroba pode fazer com vinho do Porto ou outro vinho doce, para quem quiser uma versão sem álcool pode fazê-la com chá.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:06

Este Pão merecia um Prémio

por Moira, em 20.10.10

 

Quando me cruzei com este pão fiquei com uma enorme vontade de parar tudo o que estava a fazer para pôr as mãos na massa e executá-lo de imediato, apesar se ser daqueles pães que exigem algum tempo e bastante dedicação.

Foi com ele que a Celeste concorreu a um desafio no Facebook no Dia Mundial do Pão, em que as regras ditavam que o vencedor era aquele que tivesse mais clicks, regras são regras e não se discutem, mas acontece que este pão é bonito demais para ficar perdido numa página do Facebook e como o Blog da Celeste ainda não é conhecido da maioria da blogosfera, achei que era importante divulgá-los a ambos.

Canela na Cozinha é um blog recente nascido na plataforma do Sapo e para além de outras comidinhas boas fez este pão que para mim é uma obra de arte.

Passem por lá e sigam a receita explicada passo a passo.

A foto publicada é da autoria da Celeste e gentilmente cedida para este post.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:10

AIG 2010

por Moira, em 19.10.10

 

Este é o terceiro ano que participo no AIG (Amigo Invisivel Gastronomico) organizado pela querida Bea do Blog El Rincón de Bea.

Foi através dela que conheci tantos outros Blogs Espanhóis que visito e através deles passei a receber visitas de tantos amigos virtuais de língua hispânica. A Ilustração do AIG este ano esteve a cargo da Carol uma belíssima ilustradora e o logo ficou giríssimo.

Obrigada Bea por organizares mais uma vez este AIG que nos faz sentir a todos de novo como crianças e este ano somos imensos.

Sei que muitos ficam nervosos quando têm que oferecer algo a alguém que não conhecem, por isso aviso desde já que eu sou uma pessoa simples e de gostos muito simples, para além de gostar de cozinhar adoro surpresas, por isso é preciso muito pouco para me fazer feliz.

Esta cozinheira faz colecção de colheres de pau e adora coisas com bolinhas, mas contenta-se com coisas básicas, como chás, ervas e especiarias, compotas e marmeladas, bolachas, formas de papel para muffins, guardanapos, enchidos tradicionais, loiça branca ou regional, aventais ou panos da loiça, e tudo o que esteja ligado à gastronomia em geral, mas se me enviarem alguma coisa feita em casa com carinho e me escreverem uma carta, tenham a certeza que me farão feliz. Acima de tudo não gastem muito dinheiro que o tempo é de crise e não se vislumbram melhores tempos para breve.

E aqui podem ver os presentes dos anos anteriores. É tão bom ter amigos invisíveis.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:27

WBD 2010 - Dia Mundial do Pão

por Moira, em 16.10.10

Antes de mais uma pequena reflexão.

Hoje comemora-se o Dia Mundial da Alimentação e o também o Dia Mundial do Pão, para aqueles que vivem numa sociedade moderna o meu pedido é que pensem duas vezes nos desperdícios alimentares que se produzem em cada uma das nossas casas e aproveitem-nos, com umas sobras de carne, façam umas empadas ou um empadão, com os restos de pão façam umas migas ou um pudim de pão, mas por favor não estraguem comida, pensem que por esse mundo fora ainda há gente que morre de fome. E com a crise que se faz sentir, nomeadamente em Portugal, há cada vez mais gente que vive no limiar da pobreza e que faria um banquete com muitas das coisas que não são aproveitadas em muitas casas portuguesas.

 

Agora sim, vamos ao que me trouxe aqui hoje, o pão.

Esta não foi a minha primeira escolha, queria trazer-vos mais uma vez um pão tradicional da minha região, mas infelizmente a experiência não correu bem. Por isso hoje acordei cedo e procurei uma alternativa, foi assim que ao folhear um dos melhores livros que tenho sobre Pão Português, encontrei um pão que curiosamente se chama Pão Espanhol, há anos que não o comia e há muito que não o vejo à venda, é um pão de miolo denso e muito branco, uma massa que leva uma percentagem pequena de água que faz com que seja boa para moldar, é por isso uma massa muito versátil e que puxando pela nossa imaginação dá para moldar pães com as mais diversas formas.

Optei pelas pinhas e pelos passarinhos.

As pinhas que em França também eram conhecidas por alcachofras, estiveram na moda nos séculos XVII e XVIII, tendo inclusive sido citadas por Diderot ou Malouin nas enciclopédias francesas da época. São feitas a partir de uma tira de massa que leva cortes de um dos lados e que depois é enrolada deixando os recortes para cima.

Os passarinhos, até há alguns anos atrás, podiam encontrar-se em quase todas as padarias de Lisboa, hoje creio que já não existem, são feitos a partir de uma tira de massa a que se dá um nó, sendo que uma ponta é a cabeça e a outra ponta é a cauda.

 

Pão Espanhol

(Adaptado do Livro "O Pão em Portugal" segundo a receita de Paulo Chagas)

Ingredientes:

  • 1 kg de farinha de trigo
  • 15 g de sal
  • 15 g de fermento seco
  • 550 ml de água tépida para a versão tradicional (se for para a bimby é à temperatura ambiente)
  • 15 g de açúcar
  • 25 g de manteiga à temperatura ambiente

Preparação:

Tradicional

Colocar a farinha e o sal num alguidar, fazer uma cova no meio colocar os restantes ingredientes e amassar até obter uma bola de massa elástica e moldável. Deixar descansar em local ameno e fora de correntes de ar até dobrar o volume. Pegar em pequenas quantidades de massa, cerca de 100 g, e moldar com a forma ou formas que quiser.

Levar ao forno quente a 180º até estar cozido. O tempo de cozedura varia consoante o tamanho dos pães, se fizer pães pequeninos cerca de 15 minutos são suficientes, se for um pão grande talvez uma meia hora.

 

Bimby / Thermomix

Colocar no copo a água o açúcar e a manteiga e programar 1 min., 37º, vel. 2.

Adicionar o fermento, 10 segundos, vel. 2.

Juntar metade da farinha e programar 4 minutos, vel. espiga, adicionando a restante farinha pelo bocal aos poucos.

Retirar a massa da máquina, colocar numa taça e deixar descansar 

em local ameno e fora de correntes de ar até dobrar o volume. Pegar em pequenas quantidades de massa, cerca de 100 g, e moldar com a forma ou formas que quiser.

Levar ao forno quente a 180º até estar cozido. O tempo de cozedura varia consoante o tamanho dos pães, se fizer pães pequeninos cerca de 15 minutos são suficientes, se for um pão grande talvez uma meia hora.

 

Com esta receita participo no World Bread Day 2010, mais uma vez promovido pela Zorra, espero ter contribuido mais uma vez para divulgar mais um pão tradicional português.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:46


WOOK - www.wook.pt Velocidade Colher - Entre Tachos e Bimby de Susana Gomes	Da Horta para a Mesa de Cláudia S. Villax - www.wook.pt

Pág. 1/2



Tertúlias favoritas



Sobre a autora

tertulianos em linha

Insira o seu endereço de e-mail:

Entregue por FeedBurner


Translation, please



Também estou aqui

Facebook

Tertúlia de Sabores da Moira

Divulga também a tua página


Instagram


Follow Me on Pinterest


Aplicação para Nokia -nokia-n8-2


Parcerias


 








Eventos em foodblogs

World Bread Day

World Bread Day 2013 - 8th edition! Bake loaf of bread on October 16 and blog about it!

World Bread Day

World Bread Day 2012 - After Hours Party


World Bread Day

Participações de anos anteriores

World Bread Day 2012 - Roundup Bake Bread for World Bread Day 2011 World Bread Day 2010 - Roundup World Bread Day 2009 - Yes we baked. - Roundup


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D