Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Um Grande Dilema e mais Favas

por Moira, em 28.04.10

E se de repente o marido disser que vai jantar sushi com os amigos. O que fazer para o Jantar?

Sei que a maioria responderá que come qualquer coisa e já está.

Como para mim qualquer coisa, não é nada resolvi fazer umas favas guisadas, e já está.

Depois da sopa ainda sobraram favas, eram tão fresquinhas que seria um crime congelá-las, e como a temporada é curta, porque não aproveitá-la, é assim que vamos de novo à fava enquanto a ervilha não chega.

Da receita não há muito a dizer, quem a faz como ninguém é a minha sogra, por isso telefonei-lhe e pedi instruções e ela explicou-me tudo, tim tim por tim tim. O segredo, é não pôr água nenhuma, mas se quiseres podes refrescar com uns borrifos de vinho branco, as favas cozem com o vapor e a gordura das carnes. Ah! E não te esqueças, muitos coentros.

E quantidades? Ao que me responde: Tu vês mais ou menos, pões uma camadinha de favas depois de chouriços, como é só para os dois (pensava ela) não vale a pena pores entrecosto, e acabas com uma última camadinha de favas.

Lá fui lampeira para a cozinha enquanto ele saia para o sushi sem sonhar o que seria  o meu jantar.

Favas Guisadas com Chouriço

Coloquei um tacho de ferro ao lume, deitei-lhe um fio de azeite, uma cebola, um dente de alho picado e uns pedaços de bacon, deixei refogar um pouco, enquanto cortava um pouco de chouriço de carne e uma moira (chouriço próprio para as favas).

Depois borrifei com o vinho branco, não chegou a um cálice, coloquei tudo em camadas conforme recomendado, um pouco de sal e alguns coentros picados, coloquei a tampa e deixei o fogão no mínimo.

De vez em quando e resistindo estoicamente a não abrir a tampa para não deixar sair o vapor pegava nas asas da panela e balançava-a de modo a que os sabores se misturassem, não sei exactamente quanto tempo passou, perdi-me a ler um livro sobre o pão em Portugal, quando voltei à cozinha mais uma vez pareceu-me ouvir um som estranho vindo do fundo do tacho, sinal que algo poderia não estar a correr bem, as favas ainda não estavam completamente cozidas e o fundo estava a começar a pegar, fugi da tentação de pôr água, ou qualquer outro líquido, desliguei o lume, voltei a pôr a tampa, abafei o tacho com uma toalha e voltei para a sala descansada.

Preparei a máquina fotográfica e vinte minutos depois regressei para fotografar e jantar.

Posso dizer-vos que foi uma aventura, cozinhar sem água parecia-me impossível, mas no final, que mais posso dizer-vos senão que valeu a pena? Foi mais ou menos como ter ficado o ano todo à espera da mulher da fava rica.

 

Notas: Fazer coisas a olho dá sempre muito mais do que imaginamos, claro que sobraram favas com chouriço para amanhã, e de certeza que estarão muito melhores como acontece com todos os guisados.

Como referência, posso dizer que usei cerca de 700 g de favas, 100 g de bacon, 1 moira, 1/2 chouriço, duas colheres de sopa de azeite, uma cebola média e um dente de alho, o sal claro, é a gosto não esquecendo que quer o bacon, quer os chouriços já são salgados.

Estas quantidades dão para 2 a 3 pessoas, conforme sejam mais ou menos comilões.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:37

Serão Favas Contadas?

por Moira, em 26.04.10

Expressões "como vai à fava", "são favas contadas" ou "até vir a mulher da fava rica" são comuns entre os Lisboetas e um pouco por todo o país, todas elas têm uma conotação positiva, e mesmo apesar de muitos não gostarem de favas, elas são uma das leguminosas mais apreciadas desde a antiguidade até aos dias de hoje.

"São favas contadas" diz-se de algo que já está ganho, "Vai à fava" ao contrário do que parece não é negativo, a expressão completa é "Vai à fava enquanto a ervilha não chega" o que significa sem sombra para dúvidas: aproveita enquanto é tempo!

Já "até vir a mulher da fava rica" é uma das minha favoritas, por estar associada às histórias da minha avó, que apesar de não ser Lisboeta, viveu a maior parte da sua vida em Lisboa, foi ela que me contou a maioria das histórias de Lisboa que ainda consigo guardar na memória.

No início do século passado um dos muitos pregões que ecoavam pelas ruas de Lisboa era "Olhaaaa a fava-ricaaaaaaaaaaa!"

Fava rica era a fava que depois de seca era cozida e refogada em azeite, alho e pimenta. Era apregoada e vendida pelas ruas de Lisboa e ao que parece era um petisco muito apreciado que tanto podia servir de base de uma sopa como a que hoje vos trago ou ser simplesmente servido com uma fatia de pão saloio.

O mais curioso para mim nesta sopa, que é a sopa de fava da minha mãe, é que ela sempre a fez assim e não gosta de favas.

Sopa Aveludada de Favas (para 2 pessoas)

Ingredientes:

  • 1 cebola grande
  • 1 dente de alho
  • 1 batata pequena (opcional)
  • 1 cenoura
  • 2 chávenas de favas descascadas
  • 1 colher de sopa de azeite
  • 1 colher de sopa de coentros picados

Preparação:

Leve um tacho ao lume com todos os ingredientes descascados e cortados em pedacinhos, excepto os coentros, tempera-se com sal e uma colher de sopa de azeite, quanto estiver cozido tritura-se, polvilha-se com os coentros picados e serve-se quente.

 

Nota Importante: Tem que se descascar a fava e depois retirar a película que envolve a fava em si, caso contrário a sopa não ficará aveludada e terá uma cor castanha. Habitualmente descasco para a sopa as favas que se apresentam com um "olho" preto cuja casca é mais rija conforme foto acima. Também pode adicionar à sopa no final umas tirinhas de bacon frito ou pão torrado, eu prefiro assim simples só com coentros.

Para quem estiver interessado a tigela e o prato de barro são de Reguengos de Monsaraz, Alentejo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:31

Dona Laranja

por Moira, em 20.04.10

Hoje, o meu post, é dedicado a uma Princesa que vive no Reino da Prússia e para quem as palavras não têm segredos. Quando me cruzei pela primeira vez com o seu Blog fiquei de imediato fascinada com a escrita e basta passar os olhos pelas suas páginas para perceber porquê.

No Reino da Prússia, as receitas, apesar de deliciosas são secundárias, porque é nas suas palavras que reside a essência do blog e vocês sabem como eu gosto de histórias.

 

Esta receita vai também para passatempo do Delícias e Talentos, Cozinhar com Laranja.

A escolha recaiu num Bolo de Laranja, não é que eu não tenha receitas de bolos de laranja, de facto tenho pelo menos três, mas quando li o título, tinha aquela palavrinha mágica "avó" que carrega consigo toda uma enorme carga emocional atrás, afinal quem não tem uma receita da avó que nos enche de saudades e boas recordações ?

Apresento-vos Dª Laranja e suas flores, e a forma da minha avó retirada do baú das recordações.

Bolo de Laranja

Ingredientes:

  • 1 laranja, raspa e sumo (+/-100 ml)
  • 5 ovos
  • 180 g de açúcar (1 chávena)
  • 5 colheres de sopa de óleo
  • 180 g de farinha (1 chávena e meia)
  • 1 colher de chá de fermento em pó

Preparação:

Bater as claras em castelo, adicionar o açúcar e as gemas uma a uma. Juntar o óleo, o sumo e a raspa de laranja e por fim envolver a farinha com o fermento.

Vai ao forno a 150º em forma untada e enfarinhada durante cerca de 40 minutos ou até estar cozido.

 

Notas: Este é um bolo que fica muito fofo, parece quase um pão de ló de laranja.

Parece-me perfeito para fazer numa forma sem buraco para poder rechear e já estou a imaginá-lo coberto de chocolate numa das próximas festas de aniversário.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:15

A Aventura da Massa Fresca

por Moira, em 19.04.10

Desde o Natal que tinha em casa uma máquina para estender a massa fresca e ainda não tinha tido coragem para a usar porque pensava que era um processo difícil e moroso. Para ser sincera é um pouco moroso, mas acaba por ser uma tarefa muito divertida para fazer em família, ou com amigos como foi o caso.

A amiga que me ofereceu a máquina, disse-me que gostava de fazer um jantar lá em casa com massa fresca, e foi assim que na sexta-feira combinamos o jantar para o dia seguinte, saí de casa no sábado ao final da tarde, dentro da alcofa iam os utensílios para fazer a massa e passamos o serão na aventura da massa fresca, foi uma diversão em casa da I. e do F., havia farinha por todo o lado, ops! Acho que para a próxima tenho que ter um bocadito mais de cuidado.

receita encontrei-a no Sabores de Canela, e apenas sofreu pequeníssimas alterações.

Por experimentar ficou a massa verde, com espinafres, que fica para uma próxima vez, quem sabe para uma lasanha.

Massa Fresca

Ingredientes

 

Massa base

  • 400g de farinha de trigo
  • 4 Ovos
  • 1 colher de chá de sal fino
Massa laranja
  • 400g de farinha de trigo
  • 2 Ovos
  • 3 ou 4 colheres de sopa de tomate concentrado
  • 1 colher de chá de sal fino

Preparação
Massa Base:

Coloque a farinha na bancada, faça um buraco no meio, coloque os ovos e o sal e trabalhe a massa até obter uma massa homogénia que não se cola nem aos dedos nem à bancada.

Embrulhe a massa em película aderente para não secar e guarde por 30 minutos até fazer a massa.
Polvilhe com farinha a bancada onde vai trabalhar e a massa também sempre que comece a colar.
Divida a bola em 2 e introduza uma delas na máquina, passando pelo rolo na posição mais espessa (maior abertura) pelo menos 6 vezes, dobrando sempre a massa.
Só depois desta operação deve ir reduzindo até à espessura pretendida , no final escolha então o formato.
Polvilhe a massa já feita com farinha de milho para não colar.
Pode consumir de imediato, tendo em atenção que o tempo de cozedura são 3 minutos.

 

Massa Laranja:

Proceda de igual forma que a anterior.

 

Notas: A massa base serviu para fazer uns raviólis de abóbora que saíram saborosos, mas que por inexperiência desta cozinheira pareciam gigantescas almofadas, terão por isso que ser repetidos outra vez.

A proporção para a receita de massa base é de um ovo para cada 100 g de farinha

 

A outra massa foi servida com dois molhos diferentes, molho de tomate e molho de cogumelos e nozes, inventado à última hora e que foi feito da seguinte maneira, alourei uns quadradinhos de bacon e um dente de alho numa colher de sopa de azeite, adicionei os cogumelos frescos e temperei com sal e pimenta, deixei cozinhar em lume forte até evaporar todos os líquidos, por fim juntei 4 ou 5 nozes picadas e um pacote de natas ligeiras, dá-se uma mexedela e serve-se de seguida bem quente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:01

O que é que é? Fricassé!

por Moira, em 16.04.10

Entre Portugal e o Brasil existem muitas semelhanças, mas também muitas diferenças, e desde que comecei o Tertúlia que tenho aprendido imenso com os blogs do outro lado do Atlântico.

Na altura de cozinhar, Torta vira Rocambole, Tarte vira Torta, o mesmo gosto a mesma doçura mas nomes diferentes.

Entretanto lembrei-me de uma receita portuguesa bem antiga, o nome é igual a uma outra receita do Brasil, embora diferentes entre si um dos pontos em comum é o nome.

Para acabar com o mistério, estou a falar de Fricassé, o mais tradicional é o de frango, mas pode-se fazer fricassé de quase tudo, o segredo do fricassé português está no molho bem cremoso, feito à base de gemas de ovo, com o leve travo ácido do limão, ambos obrigatórios na sua confecção.

Este é um dos clássicos cá de casa, a receita não tem grandes segredos, embora se deva ter algum cuidado na hora de completar o molho para não talhar.

Frango de Fricassé

Ingredientes:

  • 1 frango partido em pedaços não muito grandes (usei os peitos que de outra forma não se comem cá em casa)
  • 1 cebola grande picada
  • 1 molho de salsa picada
  • 2 a 3 gemas de ovo (conforme a quantidade de molho e o tamanho das gemas)
  • sumo de 1 limão
  • 3 colheres de sopa de azeite
  • 1 copo de vinho branco
  • 1 pitada de colorau ou paprica
  • sal e pimenta q.b.

Preparação:

Aloura-se o frango no azeite quente, junta-se a cebola bem picadinha, o sal, a pimenta, o colorau, um copo de vinho branco e deixa-se cozinhar em lume brando, acrescentando um pouco de água se virmos que começa a ficar muito seco.

Entretanto misturar as gemas com a salsa picada e o sumo de limão.

Quando o frango estiver cozido, retira-se do tacho.

Adicionam-se as gemas com o limão e a salsas ao restante molho do frango e leva-se de novo ao lume, mexendo sempre para engrossar.

Nesta última fase é necessário ter cuidado para o molho não talhar.

 

Nota: Se por acaso o molho talhar, tritura-se com a varinha mágica e leva-se de novo ao lume com uma colherzinha de amido de milho para ligar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:55


WOOK - www.wook.pt

Pág. 1/3



Fotos no Flickr




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Tradutor



Também estamos aqui

Facebook

Tertúlia de Sabores da Moira

Divulga também a tua página


Instagram

Instagram


Pinterest

Pinterest


Networked Blogs


Eventos na Blogosfera

World Bread Day

World Bread Day, October 16, 2017 World Bread Day 2016 (October 16) World Bread Day 2015 (October 16)


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D