Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Um Grande Dilema e mais Favas

por Moira, em 28.04.10

E se de repente o marido disser que vai jantar sushi com os amigos. O que fazer para o Jantar?

Sei que a maioria responderá que come qualquer coisa e já está.

Como para mim qualquer coisa, não é nada resolvi fazer umas favas guisadas, e já está.

Depois da sopa ainda sobraram favas, eram tão fresquinhas que seria um crime congelá-las, e como a temporada é curta, porque não aproveitá-la, é assim que vamos de novo à fava enquanto a ervilha não chega.

Da receita não há muito a dizer, quem a faz como ninguém é a minha sogra, por isso telefonei-lhe e pedi instruções e ela explicou-me tudo, tim tim por tim tim. O segredo, é não pôr água nenhuma, mas se quiseres podes refrescar com uns borrifos de vinho branco, as favas cozem com o vapor e a gordura das carnes. Ah! E não te esqueças, muitos coentros.

E quantidades? Ao que me responde: Tu vês mais ou menos, pões uma camadinha de favas depois de chouriços, como é só para os dois (pensava ela) não vale a pena pores entrecosto, e acabas com uma última camadinha de favas.

Lá fui lampeira para a cozinha enquanto ele saia para o sushi sem sonhar o que seria  o meu jantar.

Favas Guisadas com Chouriço

Coloquei um tacho de ferro ao lume, deitei-lhe um fio de azeite, uma cebola, um dente de alho picado e uns pedaços de bacon, deixei refogar um pouco, enquanto cortava um pouco de chouriço de carne e uma moira (chouriço próprio para as favas).

Depois borrifei com o vinho branco, não chegou a um cálice, coloquei tudo em camadas conforme recomendado, um pouco de sal e alguns coentros picados, coloquei a tampa e deixei o fogão no mínimo.

De vez em quando e resistindo estoicamente a não abrir a tampa para não deixar sair o vapor pegava nas asas da panela e balançava-a de modo a que os sabores se misturassem, não sei exactamente quanto tempo passou, perdi-me a ler um livro sobre o pão em Portugal, quando voltei à cozinha mais uma vez pareceu-me ouvir um som estranho vindo do fundo do tacho, sinal que algo poderia não estar a correr bem, as favas ainda não estavam completamente cozidas e o fundo estava a começar a pegar, fugi da tentação de pôr água, ou qualquer outro líquido, desliguei o lume, voltei a pôr a tampa, abafei o tacho com uma toalha e voltei para a sala descansada.

Preparei a máquina fotográfica e vinte minutos depois regressei para fotografar e jantar.

Posso dizer-vos que foi uma aventura, cozinhar sem água parecia-me impossível, mas no final, que mais posso dizer-vos senão que valeu a pena? Foi mais ou menos como ter ficado o ano todo à espera da mulher da fava rica.

 

Notas: Fazer coisas a olho dá sempre muito mais do que imaginamos, claro que sobraram favas com chouriço para amanhã, e de certeza que estarão muito melhores como acontece com todos os guisados.

Como referência, posso dizer que usei cerca de 700 g de favas, 100 g de bacon, 1 moira, 1/2 chouriço, duas colheres de sopa de azeite, uma cebola média e um dente de alho, o sal claro, é a gosto não esquecendo que quer o bacon, quer os chouriços já são salgados.

Estas quantidades dão para 2 a 3 pessoas, conforme sejam mais ou menos comilões.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:37

Serão Favas Contadas?

por Moira, em 26.04.10

Expressões "como vai à fava", "são favas contadas" ou "até vir a mulher da fava rica" são comuns entre os Lisboetas e um pouco por todo o país, todas elas têm uma conotação positiva, e mesmo apesar de muitos não gostarem de favas, elas são uma das leguminosas mais apreciadas desde a antiguidade até aos dias de hoje.

"São favas contadas" diz-se de algo que já está ganho, "Vai à fava" ao contrário do que parece não é negativo, a expressão completa é "Vai à fava enquanto a ervilha não chega" o que significa sem sombra para dúvidas: aproveita enquanto é tempo!

Já "até vir a mulher da fava rica" é uma das minha favoritas, por estar associada às histórias da minha avó, que apesar de não ser Lisboeta, viveu a maior parte da sua vida em Lisboa, foi ela que me contou a maioria das histórias de Lisboa que ainda consigo guardar na memória.

No início do século passado um dos muitos pregões que ecoavam pelas ruas de Lisboa era "Olhaaaa a fava-ricaaaaaaaaaaa!"

Fava rica era a fava que depois de seca era cozida e refogada em azeite, alho e pimenta. Era apregoada e vendida pelas ruas de Lisboa e ao que parece era um petisco muito apreciado que tanto podia servir de base de uma sopa como a que hoje vos trago ou ser simplesmente servido com uma fatia de pão saloio.

O mais curioso para mim nesta sopa, que é a sopa de fava da minha mãe, é que ela sempre a fez assim e não gosta de favas.

Sopa Aveludada de Favas (para 2 pessoas)

Ingredientes:

  • 1 cebola grande
  • 1 dente de alho
  • 1 batata pequena (opcional)
  • 1 cenoura
  • 2 chávenas de favas descascadas
  • 1 colher de sopa de azeite
  • 1 colher de sopa de coentros picados

Preparação:

Leve um tacho ao lume com todos os ingredientes descascados e cortados em pedacinhos, excepto os coentros, tempera-se com sal e uma colher de sopa de azeite, quanto estiver cozido tritura-se, polvilha-se com os coentros picados e serve-se quente.

 

Nota Importante: Tem que se descascar a fava e depois retirar a película que envolve a fava em si, caso contrário a sopa não ficará aveludada e terá uma cor castanha. Habitualmente descasco para a sopa as favas que se apresentam com um "olho" preto cuja casca é mais rija conforme foto acima. Também pode adicionar à sopa no final umas tirinhas de bacon frito ou pão torrado, eu prefiro assim simples só com coentros.

Para quem estiver interessado a tigela e o prato de barro são de Reguengos de Monsaraz, Alentejo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:31

Dona Laranja

por Moira, em 20.04.10

Hoje, o meu post, é dedicado a uma Princesa que vive no Reino da Prússia e para quem as palavras não têm segredos. Quando me cruzei pela primeira vez com o seu Blog fiquei de imediato fascinada com a escrita e basta passar os olhos pelas suas páginas para perceber porquê.

No Reino da Prússia, as receitas, apesar de deliciosas são secundárias, porque é nas suas palavras que reside a essência do blog e vocês sabem como eu gosto de histórias.

 

Esta receita vai também para passatempo do Delícias e Talentos, Cozinhar com Laranja.

A escolha recaiu num Bolo de Laranja, não é que eu não tenha receitas de bolos de laranja, de facto tenho pelo menos três, mas quando li o título, tinha aquela palavrinha mágica "avó" que carrega consigo toda uma enorme carga emocional atrás, afinal quem não tem uma receita da avó que nos enche de saudades e boas recordações ?

Apresento-vos Dª Laranja e suas flores, e a forma da minha avó retirada do baú das recordações.

Bolo de Laranja

Ingredientes:

  • 1 laranja, raspa e sumo (+/-100 ml)
  • 5 ovos
  • 180 g de açúcar (1 chávena)
  • 5 colheres de sopa de óleo
  • 180 g de farinha (1 chávena e meia)
  • 1 colher de chá de fermento em pó

Preparação:

Bater as claras em castelo, adicionar o açúcar e as gemas uma a uma. Juntar o óleo, o sumo e a raspa de laranja e por fim envolver a farinha com o fermento.

Vai ao forno a 150º em forma untada e enfarinhada durante cerca de 40 minutos ou até estar cozido.

 

Notas: Este é um bolo que fica muito fofo, parece quase um pão de ló de laranja.

Parece-me perfeito para fazer numa forma sem buraco para poder rechear e já estou a imaginá-lo coberto de chocolate numa das próximas festas de aniversário.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:15

A Aventura da Massa Fresca

por Moira, em 19.04.10

Desde o Natal que tinha em casa uma máquina para estender a massa fresca e ainda não tinha tido coragem para a usar porque pensava que era um processo difícil e moroso. Para ser sincera é um pouco moroso, mas acaba por ser uma tarefa muito divertida para fazer em família, ou com amigos como foi o caso.

A amiga que me ofereceu a máquina, disse-me que gostava de fazer um jantar lá em casa com massa fresca, e foi assim que na sexta-feira combinamos o jantar para o dia seguinte, saí de casa no sábado ao final da tarde, dentro da alcofa iam os utensílios para fazer a massa e passamos o serão na aventura da massa fresca, foi uma diversão em casa da I. e do F., havia farinha por todo o lado, ops! Acho que para a próxima tenho que ter um bocadito mais de cuidado.

receita encontrei-a no Sabores de Canela, e apenas sofreu pequeníssimas alterações.

Por experimentar ficou a massa verde, com espinafres, que fica para uma próxima vez, quem sabe para uma lasanha.

Massa Fresca

Ingredientes

 

Massa base

  • 400g de farinha de trigo
  • 4 Ovos
  • 1 colher de chá de sal fino
Massa laranja
  • 400g de farinha de trigo
  • 2 Ovos
  • 3 ou 4 colheres de sopa de tomate concentrado
  • 1 colher de chá de sal fino

Preparação
Massa Base:

Coloque a farinha na bancada, faça um buraco no meio, coloque os ovos e o sal e trabalhe a massa até obter uma massa homogénia que não se cola nem aos dedos nem à bancada.

Embrulhe a massa em película aderente para não secar e guarde por 30 minutos até fazer a massa.
Polvilhe com farinha a bancada onde vai trabalhar e a massa também sempre que comece a colar.
Divida a bola em 2 e introduza uma delas na máquina, passando pelo rolo na posição mais espessa (maior abertura) pelo menos 6 vezes, dobrando sempre a massa.
Só depois desta operação deve ir reduzindo até à espessura pretendida , no final escolha então o formato.
Polvilhe a massa já feita com farinha de milho para não colar.
Pode consumir de imediato, tendo em atenção que o tempo de cozedura são 3 minutos.

 

Massa Laranja:

Proceda de igual forma que a anterior.

 

Notas: A massa base serviu para fazer uns raviólis de abóbora que saíram saborosos, mas que por inexperiência desta cozinheira pareciam gigantescas almofadas, terão por isso que ser repetidos outra vez.

A proporção para a receita de massa base é de um ovo para cada 100 g de farinha

 

A outra massa foi servida com dois molhos diferentes, molho de tomate e molho de cogumelos e nozes, inventado à última hora e que foi feito da seguinte maneira, alourei uns quadradinhos de bacon e um dente de alho numa colher de sopa de azeite, adicionei os cogumelos frescos e temperei com sal e pimenta, deixei cozinhar em lume forte até evaporar todos os líquidos, por fim juntei 4 ou 5 nozes picadas e um pacote de natas ligeiras, dá-se uma mexedela e serve-se de seguida bem quente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:01

O que é que é? Fricassé!

por Moira, em 16.04.10

Entre Portugal e o Brasil existem muitas semelhanças, mas também muitas diferenças, e desde que comecei o Tertúlia que tenho aprendido imenso com os blogs do outro lado do Atlântico.

Na altura de cozinhar, Torta vira Rocambole, Tarte vira Torta, o mesmo gosto a mesma doçura mas nomes diferentes.

Entretanto lembrei-me de uma receita portuguesa bem antiga, o nome é igual a uma outra receita do Brasil, embora diferentes entre si um dos pontos em comum é o nome.

Para acabar com o mistério, estou a falar de Fricassé, o mais tradicional é o de frango, mas pode-se fazer fricassé de quase tudo, o segredo do fricassé português está no molho bem cremoso, feito à base de gemas de ovo, com o leve travo ácido do limão, ambos obrigatórios na sua confecção.

Este é um dos clássicos cá de casa, a receita não tem grandes segredos, embora se deva ter algum cuidado na hora de completar o molho para não talhar.

Frango de Fricassé

Ingredientes:

  • 1 frango partido em pedaços não muito grandes (usei os peitos que de outra forma não se comem cá em casa)
  • 1 cebola grande picada
  • 1 molho de salsa picada
  • 2 a 3 gemas de ovo (conforme a quantidade de molho e o tamanho das gemas)
  • sumo de 1 limão
  • 3 colheres de sopa de azeite
  • 1 copo de vinho branco
  • 1 pitada de colorau ou paprica
  • sal e pimenta q.b.

Preparação:

Aloura-se o frango no azeite quente, junta-se a cebola bem picadinha, o sal, a pimenta, o colorau, um copo de vinho branco e deixa-se cozinhar em lume brando, acrescentando um pouco de água se virmos que começa a ficar muito seco.

Entretanto misturar as gemas com a salsa picada e o sumo de limão.

Quando o frango estiver cozido, retira-se do tacho.

Adicionam-se as gemas com o limão e a salsas ao restante molho do frango e leva-se de novo ao lume, mexendo sempre para engrossar.

Nesta última fase é necessário ter cuidado para o molho não talhar.

 

Nota: Se por acaso o molho talhar, tritura-se com a varinha mágica e leva-se de novo ao lume com uma colherzinha de amido de milho para ligar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:55


WOOK - www.wook.pt

Pág. 1/3



Fotos no Flickr




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Tradutor



Também estamos aqui

Facebook

Tertúlia de Sabores da Moira

Divulga também a tua página


Instagram

Instagram


Pinterest

Pinterest


Networked Blogs


Eventos na Blogosfera

World Bread Day

World Bread Day 2016 (October 16) World Bread Day 2015 (October 16)


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D