Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Projecto Reciclar

por Moira, em 09.12.10

 

O desafio do Delícias e Talentos que está a decorrer até ao dia 11 de Dezembro propõe-nos Reciclar na Cozinha, nome bonito para aquilo a que habitualmente chamo aproveitamento de sobras e a que tenho uma Tag dedicada no blog.

Conheço muito boa gente, alguma até menos abonada que não gosta de comer o que quase sempre resta de uma ou outra refeição, boquinhas finas como diria a minha avó, mas se essas sobras forem reaproveitadas em pratos completamente distintos do original, provavelmente comem e nem dão por isso.

Cá por casa já é usual reaproveitar-se tudo, e só mesmo por um descuido inaceitável alguma coisa irá parar ao lixo, mas nem sempre foi assim, como se costuma dizer, a vida ensina-nos muita coisa e eu aprendi, não propriamente à minha custa, mas por vicissitudes do destino,  a fazer esticar o que havia na carteira.

A crise por que passamos neste momento não é novidade para muitas famílias, ou pelo menos não é para a minha, tempos houve em que uma sopa alegrava o jantar, ou uma jardineira podia dar para muitos acrescentando mais batata, cenoura ou ervilhas.

Andando ainda mais para trás no tempo, a minha avó falava muitas vezes que uma sardinha dava para dois ou para três. Claro que não é isso que se pretende, e para aqueles que me lêem, que neste momento têm acesso à net, considerem-se uns priveligiados, muitos há que dormem na rua, vivem da caridade dos amigos e vizinhos, passam frio e fome, e acreditem que não são esses que têm acesso ao rendimento mínimo, mas como este não é o blog correcto para fazer crítica social voltemos ao assunto da reciclagem na cozinha.

Reciclar é reaproveitar, é usar um ou mais elementos, transformando-os e apresentando-os como novos. Difícil? Claro que não, na cozinha é muito fácil reciclar, por exemplo:

  • Se sobrarem legumes cozidos eles podem ser de novo servidos, salteados em azeite e alho, em puré, num soufflé, em pequenas empadas, numa quiche, num "cake" salgado, ou na sua forma mais básica triturados numa sopa.
  • Se falarmos de carne ou de peixe é exactamente a mesma coisa, podemos fazer rissóis, croquetes, empadas, quiches, empadões, sandwiches e estou a lembrar-me de um dos mais emblemáticos pratos de época natalícia em casa da minha mãe e também da minha sogra, a Roupa Velha, que é confeccionado com as sobras de bacalhau, couves e batatas que sobram do jantar da Noite de Consoada.
  • Se as sobras forem de pão, podemos fazer pão ralado, migas, açordas, pudins, bolos, quem não se lembra do famoso pudim de pão ou do bolo de pão ralado, e até dos falsos ovos moles feitos com sobras de miolo de pão.
  • Com a fruta que amadureceu de repente, podemos fazer compotas, gelados, batidos e molhos.

Como vêem é muito fácil reciclar na cozinha, mas para quem tem em casa "boquinhas finas" quando lhe perguntarem o que é o jantar? Nunca, mas nunca respondam que é o resto do almoço, ou o resto do jantar do dia anterior, transformem primeiro e apresentem algo novo.

Mas a importância da reciclagem, não pode ser vista como uma obrigação em tempos de crise, ela tem que ser encarada como um gesto natural do dia a dia, de todos os dias, uma forma de estar na vida. Sei que para muitos será difícil pois já nasceram numa sociedade cada vez mais consumista e têm hábitos há muito enraízados e difíceis de ultrapassar, por isso o meu conselho é que vejam isto como uma escolha, uma opção  saudável e vão ver que para além de pouparem uns tostões ao fim do mês vão sentir-se muito melhor como pessoas.

 

A receita de hoje é feita com sobras de Cozido à Portuguesa, comida que raramente faço em casa, isto porque para ser bem feito dá algum trabalho e também porque tenho um restaurante a 100m de casa que o faz na perfeição. Acontece que as doses deles são grandes, pelo menos para mim e sobra sempre imenso Cozido que em vez de ir para o lixo eu peço para levar para casa. Vergonha? Não tenho nenhuma e digo-vos que eles estão mais que habituados pois eu não sou a única a fazê-lo. É assim, que há uns fins de semana atrás eu vim para casa com os meus restos de Cozido, e como para mim Cozido requentado não tem muita graça acabo sempre a fazer algo diferente com ele, desta vez foi um arroz de forno que preencheu a nossa barriga e serviu para estrear o mini alguidar de barro que a Mª José tão simpaticamente me ofereceu, passemos então à receita.

Arroz de Forno com sobras de Cozido à Portuguesa

Ingredientes:

  • Restos de cozido: carne de vaca, galinha, couves, cenoura e chouriço.
  • 1 chávena de arroz
  • 1 cebola picada
  • 1 dente de alho picado
  • 2 chávenas e meia de caldo do cozido
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • sal q.b.

Preparação:

Leve um tacho com o azeite ao lume e refogue a cebola e o alho picados só até a cebola ficar translúcida, deite-lhe as cenouras aos cubinhos e as carnes desfiadas, acrescente o arroz e o caldo e deixe cozinhar em lume brando. A meio da cozedura acrescente as couves picadas, mexa e rectifique o sal.

Assim que o arroz estiver cozido transfira para um recipiente que possa ir ao forno, decore com toucinho fatiado ou com chouriço e leve ao forno só o tempo suficiente para secar o arroz e dourar o chouriço.

 

Sugestão: Acompanhe com um bom vinho tinto, afinal isto são sobras, mas das boas, se é que me entendem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:03


WOOK - www.wook.pt


46 comentários

De Moira a 21.12.2010 às 17:16

Obrigada a todas pelos vossos comentários.
Festas Felizes!

De Bombom a 14.12.2010 às 14:42

Os meus Parabéns por esta magnífica participação!
Na nossa casa passou-se o mesmo que contas, embora eu seja bem mais velha que tu.Depois da Segunda Guerra mundial, víamos os estrangeiros levar uma caixinha para os restos da refeição e olhávamo-los de soslaio. Não sabíamos o que era ter a guerra "em casa" e ser refugiado. Hoje penso que já nos habituámos e os próprios Restaurantes já nos fornecem as caixinhas. E isto passa-se em qualquer país da Europa.
A receita que apresentas, como sempre, é de cinco estrelas! Obrigada pela sugestão.Bjs. Bombom

De Gasparzinha a 14.12.2010 às 02:56

Amiga, que delícia! :)
Cá em casa agora faço mais vezes cozido, porque com a bimby torna-se muito prático.
E principalmente porque adoro uma tarte que faço com as sobras...
Acho que o faço só para ter sobras! :) :)

De Joao Cabral a 13.12.2010 às 15:39

Gostei muito deste tema e identifiquei-me logo com ele, uma vez que ainda na casa dos meus pais aproveitávamos as sobras para novas refeições.
Hoje naturalmente eu e a minha mulher fazemos o mesmo na nossa casa.
Beijo.

De sofia a 13.12.2010 às 09:10

Como eu adoro cozido e ha anos que nao como!
Ficou com um aspecto excelente, o teu arroz de cozido!
Beijinhos
Sofia

De Rosinda a 12.12.2010 às 20:21

Já tenho feito um arroz com restos de cozido e até uma massa à lavrador. Este seu arroz é diferente, claro! Hei-de experimentar.
Desejo-lhe um feliz Natal e óptimo Ano Novo.
Rosinda

De patanisca a 12.12.2010 às 16:48

Na minha opinião, esta é uma das melhores receitas do desafio. Aproveitar sobras de cozido à Portuguesa permite uma série de combinações infinitas. A tua sugestão é fantástica! E tal como todas as fotos do Tertúlia, esta está lindíssima. Beijinhos.

De padeiro a 10.12.2010 às 16:56

Algo que não vejo muita gente fazer é o seu próprio caldo.

Têm ossos de um frango de churrasco? Não deitem fora, metam no congelador. Bocados de cenoura, bocados de alho-francês, pés de cogumelos... não deitem fora, metam no congelador.

É algo que os restaurantes fazem numa base diária dada toda a quantidade de restos.

Amo a Knorr por ser prático, mas um caldo feito em casa é tããããão melhor...

De culináriacolectiva a 10.12.2010 às 00:55

Que delícia esse arrozinho. Um rico aproveitamento.
Bjs
Conceição

De Miguel a 09.12.2010 às 23:36

Olá Moira,
O espírito do reciclar sobras é mesmo esse que indicas, não deve ser visto como um fardo agora por causa da crise,... algo que temos de fazer uns tempos,... não sabemos quanto tempo... e depois voltamos ao tempo das vacas gordas que estávamos habituados. Esqueçam! Esses tempos dificilmente voltam.
O que tem mesmo de mudar é a mentalidade da nossa gente, a atitude. O exemplo de levar a comida para casa das sobras do restaurante: o prato não está já pago? Portanto,... onde está o mal? Os americanos fazem-no e até restos de vinho levam para casa.

Eu desde pequeno fui educado no aproveitar as sobras. Comer duas vezes seguidas a mesma refeição é que nem havia hipótese de ripostar... outros tempos. Agora se o menino(a) não quer sopa a mamã verga-se sobre a criança e vai desenterrar do fundo do congelador uns bifes, ou se for preciso obriga o marido a retirar o pijama, vestir-se e ir á rua àquela cadeia de hamburgers que tem habitualmente um palhaço à porta.

Em suma: ouçam as vossas avós, elas são um poço de sabedoria.

De Moira a 09.12.2010 às 23:43

Miguel,
Tocaste na mouche, eu já fui uma "boquinha fina", ainda assim nunca me deram hipótese de escolher entre não comer a sopa e ainda poder comer coisas doces ou outras que tais. Hoje, e quando digo hoje estou a falar num espaço temporal de 15 ou 20 anos em que se os meninos não gostam faz-se o bifinho e compra-se o hamburguer e só se comem peitos de frango.
Eu voto no regresso da geração da açorda e das sopas ;)
Essa de levar oresto do vinho não conhecia, a mim dava-me mais jeito poder ser eu a levar o vinho para o restaurante.

Comentar post


Pág. 1/3



Fotos no Flickr




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Tradutor



Também estamos aqui

Facebook

Tertúlia de Sabores da Moira

Divulga também a tua página


Instagram

Instagram


Pinterest

Pinterest


Networked Blogs


Eventos na Blogosfera

World Bread Day

World Bread Day 2016 (October 16) World Bread Day 2015 (October 16)


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D